Resultado do PIB revela crescimento de 1,1% em 2019

Os dados do PIB do 4º trimestre, divulgados hoje pelo IBGE, reforçaram o cenário de lenta recuperação da atividade econômica.

Ao longo de 2019, o produto cresceu 1,1%, sendo o terceiro ano consecutivo de desempenho positivo, mas o menor entre eles. Na comparação entre o 4° e 3° trimestre, o indicador avançou 0,5%, de acordo com dados dessazonalizados.

Analisando os números pela ótica da demanda, a Formação Bruta de Capital Fixo (Investimentos) subiu 2,2%, marcando o segundo ano de crescimento, após apresentar resultado de 3,9% em 2018. O Consumo das Famílias cresceu 1,8%, enquanto o Consumo do Governo recuou 0,4%.

Com relação as Exportações, houve retração de 2,5% no ano e avanço de 2,6% no quarto trimestre (dados dessazonalizados). As Importações cresceram 1,1% em 2019, mas registraram queda na comparação entre o 4° e 3° trimestre (-3,2%).

Pela Ótica da Oferta (Gráfico 2), a Agropecuária mostrou evolução em 2019 (1,3%). O setor de serviços teve alta de 1,2%, destacando-se o desempenho de Informação e Comunicação, que evoluiu 4,1% no ano, e Atividades Imobiliárias (2,3%).

A Indústria, por sua vez, cresceu 0,5% em 2019, reafirmando o segundo resultado positivo desde 2013. No 4° trimestre, o setor cresceu 0,2% contra o trimestre imediatamente anterior, de acordo com os dados dessazonalizados. É valido relatar que a Construção registrou avanço de 1,6% no ano, após 5 anos consecutivos de queda.

A divulgação do IBC-BR para 2019 recuou na última comparação mensal do ano, estimando um crescimento de 0,89%, com isso esperava-se uma baixa no crescimento do PIB. Contudo, o crescimento do indicador não recuou, apresentando um crescimento consistente comparado aos outros trimestres (0,5%), mas se manteve muito abaixo das previsões do começo do ano que estimavam um crescimento em torno de 2,5%. Entende-se que o alto nível de desemprego, ainda que esteja retraindo nos últimos anos, ainda está longe de atingir os mesmos patamares dos anos anteriores a 2016, isto somado ao fraco crescimento dos rendimentos e  aos efeitos incertos do coronavírus na economia mundial ainda limitam a capacidade de consumo das famílias e inibem os investimentos, de forma que o cenário de recuperação gradual da economia segue como o mais provável para 2020.

A seguir, a tabela com resumo dos números do PIB do 4º trimestre. 


Buscar por período:

TAGS

Posts relacionados

Confiança do Consumidor volta a apresentar queda, interrompendo cinco meses de avanço

Comentários:                                                                                                          Segundo a Fundação Getúlio Vargas, o Índice de Confiança do Consumidor (ICC) atingiu 82,4 pontos em outubro recuando 1,2% contra setembro, na série livre de influências sazonais. O Índice de Situação Atual (ISA) apresentou baixa de 0,3%, enquanto o de Expectativas (IE) caiu 1,4% nesta mesma base de comparação. Em relação ao mesmo…

Para BC, atividade econômica continua a apresentar queda na análise 12 meses, apesar do avanço mensal de 1,1%

Comentários:                                                                                                             …

Volume de Serviços avança 2,9% em agosto, mas acentua queda na análise em 12 meses

  Comentários:                                                                                                           …