Vendas no varejo registram crescimento de 1,2% em 2020. Resultado em dezembro recua 6,1%.

Comentários: 

• De acordo com a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC) divulgada pelo IBGE hoje, o volume de vendas no Varejo restrito recuou 6,1% em dezembro na comparação mensal com ajuste sazonal. Em 2020, no entanto, o indicador apontou crescimento de 1,2% em relação a 2019.

• Avaliando os segmentos no acumulado de 2020, quatro das oito atividades pesquisadas registraram alta no ano. Os principais avanços ocorreram em Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (4,8%), Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (8,3%), Móveis e eletrodomésticos (10,6%) e Outros artigos de uso pessoal e doméstico (2,5%).

• Por outro lado, os setores que apresentaram queda no ano foram o de Livros, jornais, revistas e papelaria (-30,6%), Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (-16,2%), Tecidos, vestuário e calçados (-22,7%) e Combustíveis e lubrificantes (-9,7%).

• O Comércio Varejista Ampliado registrou baixa de 1,5% na variação em 12 meses. Já na comparação mensal (dados dessazonalizados), o indicador recuou 3,7%.

• Por fim, foi observado queda das vendas em 26 das 27 Unidades da Federação em dezembro, com destaque para Acre (-17,5%), Rondônia (-12,0%) e Maranhão (-8,3%), de acordo com os dados dessazonalizados.

Perspectivas:
• Em 2020 o as vendas do varejo cresceram pelo quarto ano consecutivo, após registrar crescimento de 2,1% em 2017, 2,3% em 2018 e 1,9% em 2019. Apresentando boa melhora após as quedas de 2015 e 2016. O resultado do ano surpreende, dado que o ano de 2020 foi, no mínimo, atípico e que outros setores da economia caminharam no sentido oposto. Ainda assim, é válido ressaltar que entre os setores do varejo houve grande disparidade entre os resultados.

• A comparação entre os segmentos de “Livros, jornais, revistas e papelaria”, com queda de 30,6% no ano, e o segmento de “Móveis e Eletrodomésticos”, com alta de 10,6% na mesma base de comparação, já evidencia isso.

• Isso demonstra, também, que o programa de auxílio emergencial do governo foi, ao menos parcialmente, essencial para sustentar o consumo da população em determinado nível. Contudo, a continuidade do auxílio será de menor valor, dado que outra questão de suma importância ao país, mais especificamente, o resultado fiscal, ficaria em xeque sem uma revisão da política de auxílios.

• Para 2021, espera-se que os efeitos da imunização da população e a retomada das demandas que ficaram reprimidas ou represadas durante o ano que poderão voltar com um pouco mais de força, impulsionando a economia e, consequentemente, as vendas do varejo apresentem melhora no ritmo de crescimento.


Buscar por período:

TAGS

Posts relacionados

Informe Semanal – Fintechs e Bancos Digitais

Bancos Digitais O banco digital C6 Bank, criado em 2018 por ex-sócios do banco BTG pactual, anunciou na última sexta que atingiu a marca de 6 milhões de usuários no Twitter, segundo a empresa: “Do zero aos 6 milhões de C6 Lovers!”. Nubank, o maior banco digital brasileiro, anunciou a ferramenta de transferência de dinheiro…

Informe Matinal – 13.05.2021

  Brasil e Mercados O receio em relação à inflação americana já constava na última ata do Copom divulgada esta semana. Tal receio, em princípio, virou realidade. O índice de preços ao consumidor americano atingiu 4,2% no ano em abril, acima das projeções que apontavam para 3,6%. Isso repercutiu em vários mercados, o dólar subiu,…

BC confirma recuo da atividade econômica e aponta queda de 1,59% em março

Comentários:  • De acordo com o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR) recuou 1,59% em março na comparação mensal, de acordo com dados dessazonalizados. Com relação ao mesmo mês do ano passado houve alta de 6,26%. • Na análise do resultado acumulado em 12 meses o indicador apontou desaceleração da queda, passando…