Segundo a Fundação Getúlio Vargas (FGV), o Índice de Confiança da Indústria (ICI) ficou em 101,4 pontos em fevereiro, avançando 0,5% em relação ao mês anterior, na série livre de influências sazonais. Já em relação a fevereiro do ano passado, o indicador subiu 2,2%.
Analisando os indicadores que compõem o ICI, observa-se alta no Índice de Situação Atual (ISA), que avançou 1,2% no mês, enquanto o Índice de Expectativas (IE) recuou no período, com variação mensal de 0,2% em relação a janeiro. Na comparação com fevereiro de 2019, o ISA subiu 1,3% e o IE avançou 2,8%.

Os indicadores de confiança da indústria mantêm uma tendência de crescimento em fevereiro, evidenciando um sinal gradual de recuperação, apresentando a quarta alta consecutiva e o aumento de 6,0 pontos desde outubro de 2019. Entretanto, os efeitos do coronavírus no mercado brasileiro e mundial ainda não foram incluídos no indicador do mês em questão, podendo influenciar negativamente os avanços observados nesse período.
Observou-se o avanço da confiança em 12 dos 19 segmentos industriais pesquisados, consequência da melhora na percepção da situação atual pelos empresários. Alcançando a marca de 100,9 pontos, o ISA atingiu o maior valor desde outubro de 2013.

O Nível de Utilização da Capacidade Instalada (NUCI) avançou em fevereiro, atingindo 76,2% na série livre de efeitos sazonais.
Diante do nível baixo de utilização da capacidade instalada e o atual surto de coronavírus mundial, segue baixa a expectativa de investimentos e geração de empregos na indústria, que continua perdendo relevância na economia brasileira.