Conselho Monetário Nacional e Banco Central lançam medidas sobre fintechs e pequenas e médias empresas

Em mais uma frente de ações para conter os efeitos econômicos provocados pelo avanço do COVID-19, ontem (26) o Conselho Monetário Nacional (CMN) aprovou uma série de medidas relacionadas as mudanças na regulação das fintechs e no mercado de crédito.

Além disso, visando estimular a economia durante o período mais agudo da doença no país, hoje o Banco Central anunciou um programa para financiamento de folha de pagamento de pequenas e médias empresas.

Conselho Monetário Nacional

Entre as principais medidas, foi anunciado que as Sociedades de Crédito Direto (SCD) estão autorizadas a emitir cartões de crédito e receber repasses do BNDES.

Segundo o CMN, o fato de as fintechs possuírem alta capilaridade e baixo custo operacional faz com que essas instituições consigam alcançar clientes com menor acesso a serviços financeiros e segmentos com histórico de crédito reduzido. Criando nelas, um importante canal de concessão de crédito com papel fundamental nas medidas contra cíclicas do momento atual.

Para o Banco Central, a emissão de cartões de crédito está de acordo com o modelo de negócios das fintechs, nas quais já podem fazer operações de crédito e emitir moeda eletrônica. Somado a isso, essas instituições financeiras poderão realizar suas operações com recursos advindos do BNDES, transformando-as em mais um canal importante na realização de políticas públicas.

Outra mudança se refere a ampliação no escopo dos fundos com as quais as SCD e os credores da SEP podem fazer a cessão de suas carteiras. Agora, elas poderão ceder carteiras para outros tipos de fundos que não apenas os fundos de direitos creditórios (Fidcs). A condição é que se mantenha o perfil de investidor qualificado nessas carteiras.

O CMN também aprimorou as regras sobre débito automático em contas de depósito e em contas-salário. Foi definido que os empréstimos realizados pelos clientes com pagamento por débito em conta deverão ser discriminados no extrato junto com as informações sobre débito a serem lançadas futuramente. Tal medida visa a melhor transparência e controle para os tomadores de crédito.

Por fim, foi decidido que as instituições que se enquadram no segmento S5 (como cooperativas de crédito e fintechs) agora poderão não caracterizar como ativos problemáticos as reestruturações de crédito feitas até 30 de setembro de 2020 que visam ampliar os prazos de financiamento às empresas e famílias. A medida tem como objetivo manter a oferta de crédito e reduzir os impactos do novo coronavírus.

Banco Central

Ainda hoje, o Banco Central anunciou uma linha de crédito para financiamento de folha de pagamento de pequenas e médias empresas, com capacidade de beneficiar 1,4 milhão de empresas e 12,2 milhões de pessoas. A medida conta com a presença de quatro participantes (o Tesouro, o BNDES, bancos privados e o BC) que buscam fazer com que a base dos funcionários permaneça e diminua o custo das empresas.

O programa terá duração de dois meses e custo de R$ 20 bilhões por mês, para companhias com faturamento anual de R$ 360 mil a R$ 10 milhões. A linha terá como teto dois salários mínimos por funcionário, vale ressaltar que durante esse período, as empresas não poderão demitir os funcionários beneficiados.

Cerca de 85% dos R$ 20 bilhões mensais serão arcados pelo tesouro, enquanto os outros 15% ficaram por conta dos bancos privados membros da Federação Brasileira de Bancos (FEBRABAN). As operações serão repassadas ao custo da Selic sem spread (3,75% ao ano) com prazo de 30 meses e carência de 6 meses.

As medidas anunciadas pelo CMN e pelo BC buscam, de maneira geral, reduzir o custo de crédito e manter o consumo de empresas e famílias em condições favoráveis dentro do cenário atual. Desta forma, as mudanças anunciadas podem funcionar como ferramentas importantes em pontos específicos do mercado de crédito e na manutenção dos empregos, contribuindo para minimizar impactos negativos sobre a economia.


Buscar por período:

TAGS

Posts relacionados

Resultado do PIB revela queda de 1,5% no primeiro trimestre

Os dados do PIB do 1º trimestre, divulgados hoje pelo IBGE, reforçaram o cenário de fragilização da atividade econômica. No primeiro trimestre de 2020, o produto recuou 1,5% na comparação com os três últimos meses do ano passado, de acordo com dados dessazonalizados, interrompendo uma sequência de quatro trimestres de crescimentos consecutivos. Na comparação com…

Consumidores com aumentos frequentes em operações de crédito são mais propensos à inadimplência

Demanda por Crédito do Consumidor cai 24,4% em abril

A Demanda por Crédito do Consumidor recuou 24,4% em abril na comparação com março, já descontadas as influências sazonais, de acordo com dados nacionais da Boa Vista. No acumulado do ano o indicador caiu 11,7% contra o mesmo período do ano passado. Já no acumulado em 12 meses, o indicador passou para o campo negativo…

PNADC: Taxa de desemprego atinge 12,6% em abril

De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNADC) do IBGE, a taxa de desemprego avançou para 12,6% no trimestre móvel encerrado em abril. Estando 0,4 p.p. acima do registrado no mês anterior e 0,1 p.p. maior em relação ao mesmo período do ano passado (12,5%). Em termos absolutos, a população desocupada…