‘Guerra das maquininhas’ volta a derrubar taxas para lojistas e colabora para crescimento dos pagamentos com cartões

As Estatísticas de Pagamentos de Varejo e de Cartões no Brasil, divulgadas pelo Banco Central, apontaram que os cartões emitidos no país movimentaram, somente em transações domésticas, R$ 1,4 trilhão em 2018, aumento real de 10,3% em relação a 2017. (GRÁFICO 1)

Os cartões de débito movimentaram R$ 560,7 bilhões (alta de 9,1% na comparação com 2017), enquanto, nos pré-pagos, o faturamento em 2018 foi de R$ 7,6 bilhões (aumento de 147,6%).

Já os gastos com cartão de crédito totalizaram R$ 839,8 bilhões (alta de 10,6%), sendo R$ 427 bilhões em compras em uma única parcela, R$ 167,3 bilhões em compras de 2 ou 3 parcelas, R$ 131,7 bilhões em compras parceladas de 4 a 6 vezes e R$ 113,8 bilhões em 7 ou mais parcelas.

Estas, por sinal, foram as que mais cresceram entre as diferentes modalidades de compra no cartão de crédito (alta de 16%, contra aumento de 11,4% dos gastos em uma única parcela, 7,3% em compras em 2 ou 3 parcelas e 8% em compras parceladas em 4, 5 ou 6 vezes).

Com isto, a participação dos gastos com cartões no consumo das famílias passou de 29,3% em 2017 para 32,1% em 2018 (GRÁFICO 2). A forte expansão dos gastos com cartões pode explicar parte da redução de 4,1% do saque de numerário, sinalizando que segue em curso a migração dos pagamentos para os meios eletrônicos.

Colaborou para o significativo crescimento dos gastos com cartão a nova queda das taxas cobradas dos lojistas (taxas de desconto), reflexo da concorrência crescente entre as maquininhas. (GRÁFICO 3)

A taxa média cobrada nas vendas no cartão de crédito caiu de 2,63% em 2017 para 2,49% no ano passado. Nas vendas no débito, ela passou de 1,48% para 1,40%, influenciada pela limitação da parcela da taxa que fica com o banco emissor do cartão (taxa de intercâmbio).

Com base nas taxas médias e no faturamento dos cartões de crédito e débito, a área de Indicadores e Estudos Econômicos da Boa Vista calculou as despesas dos estabelecimentos comerciais com as taxas de desconto, que totalizaram R$ 28,8 bilhões em 2018, aumento real de 4,6% em relação a 2017. (GRÁFICO 4)

As despesas com as taxas de desconto do cartão de crédito apresentaram aumento real de 5% no ano passado e alcançaram R$ 20,9 bilhões. As despesas com as taxas do débito, por sua vez, subiram 3,5% e alcançaram R$ 7,9 bilhões.

 


Buscar por período:

TAGS

Posts relacionados

CAGED: Foram abertas 157,2 mil vagas formais em setembro.

Foram divulgados os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED), publicado pelo Ministério do Trabalho. Em setembro, o saldo de vagas no mercado de trabalho (resultado da diferença entre contratações e desligamentos) foi positivo em 157,2 mil postos formais. É o melhor resultado para o mês de setembro desde 2013, quando houve a…

[CAMPANHA] Boa Vista e entidades parceiras promovem campanha de renegociação de dívidas em mais de 60 cidades do país

Em parceria com as Associações Comerciais, Empresariais e Industriais, Federações e Entidades de classe, de 63 cidades, de cinco estados, a Boa Vista promove entre os meses de outubro, novembro e dezembro, a Campanha ‘Acertando suas Contas’ 2019. A ação é considerada uma das maiores iniciativas de promoção da sustentabilidade do crédito do país, reconhecida…

Consumidores com aumentos frequentes em operações de crédito são mais propensos à inadimplência

Demanda por Crédito do Consumidor avançou 4% em setembro

A Demanda por Crédito do Consumidor avançou 4% em setembro na comparação com agosto, já descontadas as influências sazonais, de acordo com dados nacionais da Boa Vista. Na comparação com setembro de 2018, o indicador subiu 5,9%. Já no acumulado em 12 meses, registrou alta de 4,5%. Considerando os segmentos que compõem o indicador, o…