Relatório de Estabilidade Financeira: crescimento do crédito ao consumo, expansão do mercado de capitais e retração do crédito para grandes empresas

O Banco Central divulgou o Relatório de Estabilidade Financeira, publicação semestral que apresenta a evolução recente e as perspectivas da estabilidade financeira no Brasil.

Abaixo um breve resumo das principais conclusões do relatório, que analisou as informações até o 1º semestre de 2019.

O crédito bancário às empresas voltou a recuar, mas as mudanças estruturais do ambiente financeiro dos últimos anos têm permitido forte crescimento do mercado de capitais.

  • A expansão do crédito bancário às Pequenas e Médias Empresas (PMEs) não foi suficiente para neutralizar a retração do crédito às empresas de grande porte.
  • Houve discreta melhora na capacidade de pagamento e na rentabilidade das empresas não financeiras de capital aberto, e redução do número de requerimentos de recuperações judiciais.
  • Os ativos problemáticos declinaram levemente, em razão da queda do risco advindo das PMEs e de créditos baixados para prejuízo da carteira das grandes empresas. Não obstante essas baixas, o risco relacionado às empresas de grande porte persiste elevado.
  • O crescimento do mercado de capitais mais que compensou a retração no mercado de crédito bancário, refletindo a busca das empresas não financeiras por financiamentos menos onerosos e a demanda dos Fundos de Investimento por ativos mais rentáveis.
  • A tendência é de manutenção do crescimento do crédito livre para as PMEs, especialmente nas modalidades menos arriscadas, e de financiamento às empresas via mercado de capitais.

O ritmo de crescimento do crédito às famílias é o mais elevado desde o final de 2015.

  • O avanço é favorecido pelas taxas de inflação e de juros historicamente baixas, e pelo aumento médio da confiança do consumidor nos últimos quatro anos.
  • Destacam-se as modalidades voltadas ao consumo, que avançam em ritmo semelhante ao início do arrefecimento do crédito em 2012.
  • Os ativos problemáticos apresentaram leve aumento, mas não representam risco por estarem muito próximos aos mínimos históricos. Ademais, a análise por safra demonstra tendência de aumento de risco apenas para a modalidade crédito pessoal não consignado.
  • O crédito às pessoas físicas (PF) deve continuar em ascensão, com nível de risco pouco acima do atual, dada a estratégia dos bancos de avançarem em modalidades mais rentáveis e arriscadas. Contudo, sem uma efetiva retomada da economia, essa estratégia pode ser alterada.

A rentabilidade das instituições financeiras permaneceu em elevação, com perspectiva de leve arrefecimento dessa tendência.

  • Os aumentos da rentabilidade no primeiro semestre de 2019 foram influenciados pela retomada gradual do crescimento da carteira de crédito, com maior participação do crédito às famílias e às PMEs.
  • A continuidade da alteração do mix da carteira, que deve equilibrar o efeito da redução dos spreads dos produtos, e os aumentos de volume devem direcionar a evolução da rentabilidade no futuro próximo. O custo de captação também deve registrar reduções, em razão do recente ciclo de queda da taxa básica de juros.
  • A tendência de leve arrefecimento da rentabilidade deve-se ao esgotamento da redução das despesas de provisão e da expectativa de retração dos ganhos de eficiência operacional, fatores que, em conjunto com a redução do custo de captação, foram importantes para o avanço da rentabilidade em 2017 e 2018.

A representatividade das empresas em Recuperação Judicial (RJ) no crédito amplo às PJ tem aumentado desde junho de 2016, mas não representa risco para a estabilidade financeira.

  • Embora o número de empresas que requerem RJ esteja declinando desde 2016, os ativos problemáticos elevaram-se em razão de requerimentos por parte de grandes corporações.
  • Entre as empresas de grande porte com dívida bancária, 57% voltaram à normalidade após 1,9 ano, em média, do pedido de RJ. Entre as PMEs, 9% voltaram à normalidade após 2,9 anos. Os demais pedidos, tanto das grandes empresas quanto das PMEs, foram convolados em falência.
  • Aproximadamente metade da dívida das empresas em RJ está no SFN, seja por meio de crédito bancário, de compra de debêntures e notas comercias, ou de dívida externa. Mais de 70% da dívida via crédito bancário está provisionada.

Buscar por período:

TAGS

Posts relacionados

Resultado do PIB revela queda de 1,5% no primeiro trimestre

Os dados do PIB do 1º trimestre, divulgados hoje pelo IBGE, reforçaram o cenário de fragilização da atividade econômica. No primeiro trimestre de 2020, o produto recuou 1,5% na comparação com os três últimos meses do ano passado, de acordo com dados dessazonalizados, interrompendo uma sequência de quatro trimestres de crescimentos consecutivos. Na comparação com…

Consumidores com aumentos frequentes em operações de crédito são mais propensos à inadimplência

Demanda por Crédito do Consumidor cai 24,4% em abril

A Demanda por Crédito do Consumidor recuou 24,4% em abril na comparação com março, já descontadas as influências sazonais, de acordo com dados nacionais da Boa Vista. No acumulado do ano o indicador caiu 11,7% contra o mesmo período do ano passado. Já no acumulado em 12 meses, o indicador passou para o campo negativo…

PNADC: Taxa de desemprego atinge 12,6% em abril

De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNADC) do IBGE, a taxa de desemprego avançou para 12,6% no trimestre móvel encerrado em abril. Estando 0,4 p.p. acima do registrado no mês anterior e 0,1 p.p. maior em relação ao mesmo período do ano passado (12,5%). Em termos absolutos, a população desocupada…