Criação de vagas é positiva, mas declina perante anos anteriores

Por Paulo Rabello de Castro, da RC Consultores

O CAGED – Cadastro Geral de Empregados e Desempregados – divulgou 123,8 mil novos postos formais de trabalho criados no País em junho, batendo previsões menos otimistas. Porém, o número de novos postos de trabalho vem perdendo força perante os criados em anos anteriores, desde a crise de 2009. O número de junho surpreendeu, pois aumentou 2,8% em relação ao mesmo mês de 2012. O resultado de junho se deve apenas ao bom desempenho dos serviços. A construção civil e a indústria vêm recuando, especialmente a primeira, cujo desempenho na formação de postos é de apenas metade do de 2012.

O cenário atual de incerteza dificultará ainda mais a criação de empregos no segundo semestre. Os juros estão subindo para as empresas, em particular na rede de bancos públicos, em um processo de correção da política anterior de farta concessão de crédito. As empresas ainda têm receio de dispensar mão de obra pela dificuldade de eventual reposição de pessoal qualificado. Contudo, as projeções mais recentes indicam apenas estabilidade de pessoal na maioria dos negócios. Com a evolução bem mais lenta da absorção de oferta de trabalho, a massa salarial passará a depender dos reajustes de salários. Projetamos para 2013 um reajuste real na faixa de apenas 3% na massa salarial resultante da combinação dos ajustes do salário médio e do aumento no número de empregados no País.

Ed.233


Buscar por período:

TAGS

Posts relacionados

Pedidos de seguro-desemprego recuam 32% em junho na comparação mensal

O Ministério da Economia divulgou ontem os dados referentes ao movimento dos pedidos de seguro-desemprego. Em junho, o número de requerimentos ao seguro–desemprego foi 32% menor em relação ao mês anterior, contabilizando cerca de 653.160 pedidos na modalidade trabalhador formal. Já na comparação com junho do ano passado houve alta de 28,4%, registrando o quarto…

IPCA avança 0,26% em junho, após dois meses de deflação

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA)[1] avançou 0,26% no mês de junho. No acumulado em 12 meses houve evolução para 2,13%, 0,25 p.p. acima da variação observada em maio.  Com esse resultado, o indicador acumulou baixa de 0,11% no ano. O grupo Alimentação e bebidas (0,38%) foi o que registrou maior impacto…

Volume de serviços recua 0,9% em maio

Segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE divulgada hoje, o volume do setor de serviços recuo 0,9% na comparação com o mês anterior (dados dessazonalizados). Em relação ao mesmo mês do ano anterior, o indicador contraiu 19,4%. Com isto, o setor acumula baixa de 2,7% na análise em 12 meses. Nos resultados mensais…