Juros estáveis?

Por Yan Cattani

Ontem, na última reunião do COPOM liderada pelo presidente do Banco Central (BC), Alexandre Tombini, foi decidido por unanimidade a manutenção do atual nível de juros da taxa básica da economia, a Selic. Está é a sétima decisão consecutiva de estabilidade da taxa, cravada em 14,25%.

Em termos de política monetária, a decisão é coerente: com uma inflação anual perto de 10%, a medida contribui para solidez de longo prazo do sistema financeiro, e assegura a estabilidade do poder de compra da moeda dos cidadãos. Além disso, a Selic também é responsável pela elevação dos juros cobrado ao consumidor em seu endividamento. Só que, se notarmos, há uma grande divergência: tais taxas de financiamento atingem praticamente 70% ao ano nos empréstimos de recursos destinados ao consumo. E o pior, continuam subindo. Afinal, por que isso acontece?

A resposta depende da análise da composição dos juros. Os juros cobrados ao consumidor dependem basicamente de dois componentes, a taxa de captação e o spread. Enquanto o primeiro nada mais é que o custo da entidade financeira entre aplicar o dinheiro em títulos públicos (remunerados direta e indiretamente pela Selic) ou emprestar aos consumidores, os spreads embutem todo tipo de custo, como os custos operacionais dos empréstimos cedidos – desde a parte administrativa e legal, assim como a margem de lucro e, principalmente, riscos.

Com isso, se observarmos a evolução dos spreads, verificamos uma aceleração de seu crescimento nos últimos tempos, refletindo não só as turbulências ocorridas na economia, mas o ambiente político, empresarial etc. Assim, basicamente o que temos é uma manutenção da captação, movimento coerente com a Selic, e uma elevação dos spreads, que consequentemente elevam os juros finais cobrados ao consumidor.

Com a melhoria dos indicadores de confiança na economia apresentada nos últimos 2 meses, possivelmente veremos nas próximas divulgações do BC uma desaceleração do crescimento dos spreads e até mesmo retração dos juros finais destinados ao consumo. Talvez seja, enfim, um alívio à vista.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Consumidores dizem que gastarão menos neste Natal, mas valor médio dos gastos será 4,5% maior

14 de dezembro de 2018 – 72% dos consumidores disseram que gastarão menos dinheiro neste Natal e Fim de Ano, em relação ao ano passado, quando 75% tinham esta intenção. 11%, por sua vez, afirmaram que irão gastar mais, contra 9% em 2017. Por outro lado, o valor médio previsto com todos os gastos, por…

Vendas no varejo caem 0,4% em outubro

De acordo com a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC) divulgada pelo IBGE hoje, o volume de vendas no Varejo restrito caiu 0,4% em outubro na comparação mensal com ajuste sazonal. No acumulado em 12 meses o indicador cresceu 2,7%. No acumulado do ano a evolução foi de 2,2% em relação a 2017. Avaliando as séries…

Boa Vista: PMC de outubro evidencia crise das grandes livrarias

Por trás da queda de 0,4% das vendas do varejo de outubro – após recuo de 1,3% em setembro, já descontados os efeitos sazonais –, há, de um lado, fatores pontuais, como os preços elevados dos combustíveis – que derrubaram novamente as vendas do setor – e a crise no ramo de livrarias, com fechamento…