Boa Vista SCPC reúne especialistas para debater avanços e benefícios econômicos do Cadastro Positivo

A Boa Vista SCPC recebeu autoridades como Oscar Madeddu, do Banco Mundial, João André Pereira, do Banco Central do Brasil e César Calomino, da Equifax do Uruguai, para falar sobre o Cadastro Positivo e os seus impactos econômicos e sociais, inclusive em países em desenvolvimento onde já é uma realidade. Estes convidados também salientaram a contribuição do Cadastro Positivo na ampliação do acesso ao crédito; os seus benefícios para os consumidores e o mercado, e as vantagens que agrega aos negócios. O evento contou ainda com a participação da economista Cláudia Viegas, da LCA Consultores, que apresentou as estimativas de impactos sobre o PIB brasileiro decorrente de uma redução permanente de custo de crédito em virtude do Cadastro Positivo e a urgência para essa mudança a fim de ganharmos produtividade.

Oscar Madeddu, consultor de gestão de risco e de birôs de crédito da IFC (Internacional Finance Corporation), instituição multilateral pertencente ao Banco Mundial, apresentou dados acerca da importância dos birôs de crédito em diferentes países do mundo com casos reais, como Equador, Austrália, Egito, Índia. No Egito, por exemplo, o número de empréstimos cresceu 164% em 8 anos enquanto a inadimplência caiu 62%. Na Índia, o report de dados positivos e negativos reduziu o nível de declarações falsas de instituições financeiras de 92% para 7%. Madeddu disse ainda que, com o Cadastro Positivo se torna possível ampliar o acesso ao crédito a muitas pessoas que estão à margem, por não terem histórico creditício ou pontuação (score) suficiente; reduzir sobremaneira a inadimplência e evitar o superendividamento dos consumidores.

Madeddu também se mostrou apreensivo quanto aos fatores que, há anos, impedem o Cadastro Positivo de se tornar uma realidade efetiva no Brasil, principalmente porque a adesão ao sistema não acontece automaticamente, mas ao contrário, o consumidor precisa autorizar a inclusão dos seus dados. “O Brasil está fora da realidade do uso de informações (positivas) na análise de crédito, já implantada em economias menos desenvolvidas, como Burundi, Afeganistão e Arábia Saudita. Nós devemos sair do século passado, do modelo que se baseia apenas na análise de informações negativas, para olhar a informação como um todo. Positivos ou negativos, os dados estão cada vez mais completos e ao mesmo tempo dinâmicos, e por isso precisamos acompanhar este novo cenário. É necessário entender que, para mudar o ciclo da economia, devemos mudar as nossas mentes”, enfatizou Madeddu.

João André Pereira, representante do Banco Central, analisou pontos econômicos acerca do tema, explicando que um dos motivos de o spread no Brasil ser tão elevado se deve ao fato dos credores não conhecerem, com mais propriedade, as informações dos tomadores de crédito. Ele disse ainda que para reduzir o spread, a solução está no compartilhamento das informações creditícias, porque tem como consequência a redução de inadimplência. João André recordou a agenda microeconômica do Governo, anunciada no final de 2016, que incluiu na pauta o Cadastro Positivo e a migração do modelo opt-in, no qual o tomador autoriza a sua inclusão, para o opt-out, em que a mesma é feita automaticamente. Porém a Medida Provisória está pendente em Brasília.

Como colocou o diretor da Equifax no Uruguai, César Calomino, a efetiva implantação do Cadastro Positivo depende principalmente do entendimento dos consumidores quanto as suas vantagens. O que pode ser feito também por meio de um canal que esclareça dúvidas e informe as minúcias do tema. Para ele, é fundamental que todos os atores econômicos compreendam a relevância e disseminem esse entendimento, já que todos ganharão. Calomino enfatizou ainda a seriedade da análise completa dos dados, esta que compreende não só informações positivas e negativas, mas o seu conjunto. Para os empresários, este novo método de análise contribuirá significativamente para o crescimento dos negócios, com benefícios que serão imediatos, como a expansão do crédito e a redução da inadimplência.

Segundo Roseli Garcia, diretora executiva da Boa Vista, o evento sobre o Cadastro Positivo teve como objetivo ampliar o debate sobre o tema com representantes de segmentos econômicos que ajudarão a fomentá-lo. O encontro também contribuiu para que a Boa Vista informasse qual é o seu posicionamento e a expectativa sobre pontos relacionados à legislação e ao mercado. A Boa Vista SCPC defende que, com o Cadastro Positivo valendo efetivamente já nos próximos anos, o número de pessoas e empresas inclusas com histórico de pagamento positivo salte dos atuais 5,5 milhões para mais de 120 milhões.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Inadimplência do consumidor cai 2,4% em novembro

A inadimplência do consumidor caiu 2,4% em novembro na avaliação mensal com ajuste sazonal, de acordo com dados nacionais da Boa Vista SCPC. Já nos valores acumulados em 12 meses (dezembro de 2016 até novembro de 2017 frente aos 12 meses antecedentes) houve retração 3,5%. Quando comparado o resultado contra o mesmo mês de 2016,…

Produção Industrial registra crescimento de 0,2% em outubro e 1,5% em 12 meses

Dados divulgados hoje pelo IBGE revelam que a Pesquisa Industrial Mensal (PIM) registrou crescimento de 0,2% em outubro, considerando a comparação mensal (série com ajuste sazonal). Considerando os últimos 12 meses, a recuperação ganhou mais consistência, uma vez que sua leitura foi de 0,4% para 1,5% entre os meses de setembro e outubro. Na comparação…

Cresce fatia dos que utilizarão o 13º salário para pagar contas de início de ano e poupar

  Dos mais de mil entrevistados pela Boa Vista SCPC, em sua pesquisa online sobre hábitos de consumo para o Natal e Fim de Ano, 75% dos respondentes afirmaram que receberão o 13º salário. Destes, 37% disseram que utilizarão a renda extra para quitar dívidas, o que representa uma queda de 19 pontos percentuais (p.p.)…