Cresce fatia dos que utilizarão o 13º salário para pagar contas de início de ano e poupar

 

Dos mais de mil entrevistados pela Boa Vista SCPC, em sua pesquisa online sobre hábitos de consumo para o Natal e Fim de Ano, 75% dos respondentes afirmaram que receberão o 13º salário. Destes, 37% disseram que utilizarão a renda extra para quitar dívidas, o que representa uma queda de 19 pontos percentuais (p.p.) na comparação com 2016. Por outro lado, aumentou em 17p.p. o número de consumidores que utilizará o 13º salário para poupar e pagar as contas, na comparação com 2016, atingindo a proporção de 46% (cada um com iguais 23% de representatividade). A tabela abaixo contém os detalhes.

pesquisa13

Fonte: Boa Vista SCPC

Entre os consumidores que pretendem gastar menos dinheiro este ano, 44% irão quitar dívidas com o 13º salário. Para aqueles que pretendem gastar mais dinheiro em relação ao ano passado, 21% utilizarão o 13º salário para quitar dívidas e outros 32% irão investir.

Ainda segundo a pesquisa, 21% dos consumidores que pretendem poupar o 13º salário irão guardar até 30% do valor recebido, enquanto 14% conseguirão guardar entre 30% a 50% do valor. Ademais, saltou de 9% para 32% aqueles que pretendem guardar mais de 50% da renda extra. Por outro lado, 33% não conseguirão poupar nada, contra 48% registrados em 2016 e 44% em 2015. Ou seja, o consumidor parece estar mais preocupado em guardar o dinheiro, seja para reorganizar a vida financeira, seja para pagar as contas do início do ano.

Cenário econômico

Quando questionados sobre a percepção do atual do cenário econômico, 81% dos consumidores disseram que a mesma está igual ou pior em comparação ao ano passado. Na época foram registradas 84% das menções. No que se refere a vida pessoal financeira, a percepção atual também não é das mais otimistas. 56% dos consumidores afirmaram que o poder de compra e de pagamento diminuíram na comparação com 2016.

Para 32% dos consumidores, foram os gastos com a alimentação (desde as compras de supermercado até as despesas fora de casa), que mais pesaram no bolso no atual cenário de inflação e reajustes de preços neste ano. Em segundo lugar apareceu o aumento no preço dos combustíveis, passando de 7% para 17% das menções, um crescimento de 10p.p. em comparação ao último ano.

Diante da atual situação econômica, 80% dos consumidores declararam ter adotado hábitos de compras diferentes do que estavam habituados, com intuito de economizar. Como resultado da mudança de atitude frente à crise econômica e financeira, 34% dos consumidores conseguiram reduzir os gastos com o lazer. Outros 26% reduziram os gastos com alimentação.

De modo geral, 88% dos consumidores esperam que a vida financeira esteja melhor no próximo ano, se comparada ao momento atual. Quando questionados no final de 2016, sobre o que esperavam da vida financeira para 2017, 90% na época estavam mais otimistas, e esperavam uma situação melhor.

Metodologia
Um total de 1.009 consumidores, de todo o Brasil, participou da pesquisa online realizada pela Boa Vista SCPC, entre os dias 5 a 30 de outubro, com o objetivo identificar a pretensão de compra para o Natal e Fim de Ano. A leitura dos resultados deve considerar 3% de margem de erro e grau de confiança de 95%.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Pedidos de falência caem 19,6% no acumulado em 12 meses

Os pedidos de falência caíram 19,6% no acumulado 12 meses (setembro de 2017 até agosto de 2018 comparado aos 12 meses antecedentes), segundo dados com abrangência nacional da Boa Vista SCPC. Mantida a base de comparação, as falências decretadas subiram 15,0%, enquanto para os pedidos de recuperação judicial houve diminuição de 6,0%. As recuperações judiciais…

Movimento do Comércio avança 4,1% no acumulado em 12 meses, diz Boa Vista SCPC

O Indicador do Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, avançou 4,1% no acumulado em 12 meses (setembro de 2017 até agosto de 2018 frente ao mesmo período do ano anterior), segundo o indicador da Boa Vista SCPC. Em agosto, na avaliação mensal dessazonalizada, o indicador ficou…

Para BC, atividade econômica avança 0,57% em julho

De acordo com o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) subiu 0,57% em julho na comparação mensal, de acordo com dados dessazonalizados. No acumulado em 12 meses houve avanço de 1,46%. Na comparação ante o mesmo período do ano anterior, houve aumento de 2,56%. O comportamento da atividade em julho contraria a…