Cresce número de micro, pequenos e médios empresários que espera alta no faturamento em 2019

Embora historicamente seja maior o percentual de grandes empresas que apostam no crescimento do faturamento, chama a atenção a melhora do otimismo entre micro, pequenos e médios empresários. É o que constatou a pesquisa ‘Perspectivas Empresariais’, da Boa Vista, realizada com cerca de mil executivos de todo o Brasil, no 3º trimestre de 2018. O que mostra uma mudança de humor entre os empresários destes três portes, principalmente.

De acordo com a pesquisa, no mesmo período de 2017, 40% dos médios empresários previam ter um faturamento maior em 2018. Entrevistados agora no 3º Tri/18, 54% têm a expectativa de faturar mais no próximo ano. Um salto de 14 pontos percentuais. Mantendo a base de comparação, 35% dos micro e pequenos empresários previam faturar mais em 2018, e agora são 42%, em ambos os portes. Um crescimento de sete pontos percentuais, respectivamente. As tabelas contêm os detalhes.

Quando o recorte da pesquisa observou o setor de atividade, contatou-se que as de Serviços são as que estão mais otimistas com relação ao faturamento. Neste segmento, 48% dos entrevistados esperam faturar mais em 2019 (no 3º Tri/17 eram 37% os que esperavam faturar mais em 2018). O setor do Comércio permanece estável (42%) e o da Indústria teve uma pequena alta, passando de 40% para 42%, na mesma base de comparação.

Quando separados por porte, os empresários de micro, pequenas, médias e grandes empresas também se mostraram otimistas com relação aos investimentos para o próximo ano, na comparação ao 3º Tri/17. Os microempresários representam 35% contra 31%. Os das pequenas empresas eram 24% e agora 38% os que preveem investir mais em 2019. O das médias agora são 39% contra 35% e os das grandes empresas 51%, contra 43%.

Já quando avaliado por setor, o empresário do segmento de Serviços é o que está mais confiante no aumento dos investimentos para o próximo ano. No 3º Tri/17, 30% previam mais investimentos em 2018, já no 3º Tri/18, 40% dos executivos acreditam que terão mais investimentos em 2019. O empresário do Comércio não esboçou a mesma animação e se manteve com percentuais praticamente iguais, na mesma base de comparação, passando de 36% para 35% quanto à perspectiva de crescimento. Os executivos da Indústria preveem um salto de oito pontos percentuais em investimentos no negócio (de 27% para 35%, na mesma base de comparação).

Quando questionados sobre a perspectiva de inadimplência do negócio para o próximo ano, as grandes empresas foram a que se demonstraram mais pessimistas. 49% acreditam que a inadimplência cresça, contra 31% da pesquisa realizada pela Boa Vista no 3º Tri/17. Já 50% das médias, 40% das pequenas e 32% das microempresas acreditam que ficará igual a 2018. As tabelas têm as informações.

Por setor, 33% dos executivos que atuam em Indústrias acreditam que a inadimplência do negócio deve crescer em 2019. Eram 28% no 3º Tri/17. 34% dos que atuam no Comércio têm esta mesma visão, contra 26% na mesma base de comparação. E 28% dos que são de Serviços acreditam que terão mais dificuldades para honrar as contas de suas empresas, contra 34% no 3º Tri/17.

A percepção de que o endividamento da empresa irá diminuir em 2019 é unânime entre as empresas de todos os portes. No 3º Tri/17, 19% das micro tinham essa percepção para o próximo ano. Agora são 38%. Das pequenas eram 25% e agora são 34%; das médias eram 29% e já neste novo levantamento são 43% as que esperam um endividamento menor. As grandes empresas eram 23% na pesquisa do 3º Tri/17 e na atual são 30% as que acreditam em um endividamento menor em 2019.

A expectativa de que o endividamento caia em 2018 também é maior em empresas de todos os setores na comparação com as que foram entrevistadas em 2017. As da Indústria saltaram de 30% para 40%. As do Comércio de 22% para 43% e de Serviços de 30% para 30%.

Metodologia
O período de realização da Pesquisa ‘Perspectivas Empresariais’, da Boa Vista, é trimestral (evolutivo 2017 e 2018), e o universo é representado por empresas dos diferentes setores de Comércio (atacadista e varejista), Serviços(1), Indústria. A amostra é de pouco mais de mil empresas por trimestre, distribuídas por porte e setor. Para a leitura geral dos resultados, deve-se considerar 95% de grau de confiança, e margem de erro de 3%, para mais ou para menos.
(1) Inclui empresas dos segmentos Instituições Financeiras e Construção Civil.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio cresce 1,0% em janeiro

O Indicador do Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, avançou 1,0% em janeiro na comparação mensal dessazonalizada, de acordo com dados apurados pela Boa Vista. Na avaliação acumulada em 12 meses, o indicador subiu 1,3%. Já na variação contra janeiro do ano anterior o varejo cresceu…

Análise PMC: Black Friday antecipa vendas do Natal e varejo registra queda das vendas em dezembro

A queda da inadimplência das pessoas físicas – e, consequentemente, das taxas médias de juros ao consumidor – abriu espaço para o crescimento da oferta de crédito. Por outro lado, o elevado nível de desocupação e a fraca recuperação da renda – apesar da inflação baixa – ainda limitam a capacidade de endividamento e consumo…

Boa Vista: Recuperação de crédito cai 0,6% no acumulado em 12 meses

13 de fevereiro de 2019 – O indicador de recuperação de crédito – obtido a partir da quantidade de exclusões dos registros de inadimplentes da base da Boa Vista – registrou queda de 0,6% no acumulado em 12 meses (fevereiro de 2018 até janeiro de 2019 frente os 12 meses antecedentes). Em janeiro o indicador…