Inadimplência do consumidor cai 1,8% em setembro

De acordo com dados nacionais da Boa Vista, a inadimplência do consumidor recuou 1,8% em setembro na comparação com agosto, já descontados os efeitos sazonais. Em relação a setembro do ano passado, o indicador avançou 1,7%. Com isto, ele acumula queda de 3,4% no ano e 3% no acumulado 12 meses (outubro de 2018 até setembro de 2019 frente aos 12 meses anteriores).

Regionalmente, na análise acumulada em 12 meses, todas as regiões ainda registram queda: Centro-Oeste (-4,9%), Norte (-2,9%), Nordeste (-3,3%), Sul (-5,3%) e Sudeste (-1,9%). Na comparação mensal, todas as regiões também apresentaram queda.

A queda da inadimplência observada desde o final de 2016 pode ser explicada pela maior cautela das famílias, pela capacidade de endividamento dos consumidores ainda limitada pelo fraco crescimento da renda e pelo efeito defasado da maior seletividade dos bancos no período mais agudo da crise.

Com isto, a inadimplência dos consumidores atingiu um patamar historicamente baixo, o que proporcionou a redução dos juros e motivou o aumento das concessões a partir de 2017, que, por sua vez, vêm resultando em um crescimento significativo do endividamento e do comprometimento de renda ao longo de 2019.

Os economistas da Boa Vista têm alertado que o elevado nível de desocupação e subutilização da mão-de-obra, somado à lenta recuperação da renda, aumenta o risco de que esta expansão recente dos empréstimos resulte em maior inadimplência.

Por enquanto, porém, o indicador de registros ainda não aponta nesta direção. Após a alta de julho, o indicador registrou queda em agosto e voltou a recuar em setembro. A queda no acumulado em 12 meses, por sua vez, permaneceu praticamente igual ao resultado de agosto.

Além disto, a liberação dos recursos do FGTS tende a aliviar um pouco a situação financeira de muitas famílias.

De qualquer forma, uma retomada mais vigorosa e generalizada do crédito aos consumidores, sem aumento dos riscos, segue condicionada, a curto prazo, à evolução do mercado de trabalho e do endividamento das famílias, e, a médio prazo, à implementação das reformas microeconômicas no mercado de crédito.

Metodologia

O indicador de registro de inadimplência é elaborado a partir da quantidade de novos registros de dívidas vencidas e não pagas informados à Boa Vista pelas empresas credoras. As séries têm como ano base a média de 2011 = 100 e passam por ajuste sazonal para avaliação da variação mensal. A partir de janeiro de 2014, houve atualização dos fatores sazonais e reelaboração das séries dessazonalizadas, utilizando o filtro sazonal X-12 ARIMA, disponibilizado pelo US Census Bureau.

A série histórica do indicador está disponível em:

www.boavistaservicos.com.br/economia/registro-de-inadimplencia

 


Buscar por período:

TAGS

Posts relacionados

CAGED: Foram abertas 157,2 mil vagas formais em setembro.

Foram divulgados os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED), publicado pelo Ministério do Trabalho. Em setembro, o saldo de vagas no mercado de trabalho (resultado da diferença entre contratações e desligamentos) foi positivo em 157,2 mil postos formais. É o melhor resultado para o mês de setembro desde 2013, quando houve a…

[CAMPANHA] Boa Vista e entidades parceiras promovem campanha de renegociação de dívidas em mais de 60 cidades do país

Em parceria com as Associações Comerciais, Empresariais e Industriais, Federações e Entidades de classe, de 63 cidades, de cinco estados, a Boa Vista promove entre os meses de outubro, novembro e dezembro, a Campanha ‘Acertando suas Contas’ 2019. A ação é considerada uma das maiores iniciativas de promoção da sustentabilidade do crédito do país, reconhecida…

Consumidores com aumentos frequentes em operações de crédito são mais propensos à inadimplência

Demanda por Crédito do Consumidor avançou 4% em setembro

A Demanda por Crédito do Consumidor avançou 4% em setembro na comparação com agosto, já descontadas as influências sazonais, de acordo com dados nacionais da Boa Vista. Na comparação com setembro de 2018, o indicador subiu 5,9%. Já no acumulado em 12 meses, registrou alta de 4,5%. Considerando os segmentos que compõem o indicador, o…