Metade dos consumidores que vão às compras na Black Friday deve gastar acima de R$ 600

Mais de 100 milhões de brasileiros devem aproveitar as promoções da Black Friday este ano. É o que indica pesquisa realizada pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), segundo a qual 71% dos consumidores entrevistados pretendem comprar nesta que é uma das mais novas datas comemorativas do comércio brasileiro, que este ano cai no dia 23 de novembro. Ainda de acordo com a pesquisa sobre hábitos de consumo na Black Friday, dos que irão às compras, metade pretende gastar acima de R$ 600, o que representa cerca de 49 milhões de consumidores. Para outros 11% o ticket médio deve ficar entre R$ 501 e R$ 600.

Realizada com cerca de 1.200 entrevistados, em todo o país, entre os meses de setembro e outubro, a pesquisa da Boa Vista constatou ainda que 64% dos consumidores pretendem pagar as compras da Black Friday parcelando o valor, enquanto 36% pagarão à vista. Dos que irão parcelar o pagamento das compras nesta data, 27% farão de 2 a 3 vezes; 32% entre 4 e 12 vezes e 5% acima de 12 vezes. Para isso, 44% utilizarão o cartão de crédito, seguido por boleto bancário (18%). As outras formas de pagamento mais utilizadas serão em dinheiro (13%) e cartão de débito (9%).

Dos que farão compras na Black Friday, 63% afirmam que já compraram em anos anteriores nesta mesma data, e 81% destes declaram ser vantajoso aproveitar a ocasião para fazer compras, principalmente por obter descontos (redução de preços, juros menores, isenção de juros etc), em 76% dos casos. Ainda de acordo com a pesquisa da Boa Vista, para 56% as compras na Black Friday serão planejadas. 37% de oportunidade. 6% de ocasião e para 1% por impulso.

Quando o assunto é o local da compra, 60% pretendem comprar em e-commerces e 40% em lojas físicas, dos quais 25% concentrarão as compras nas grandes redes varejistas/lojas de departamentos de shoppings e 22% nas demais lojas de shoppings centers.

Entre as principais categorias de produtos que os consumidores pretendem comprar, destacam-se: 51% eletrônicos e eletrodomésticos (empatados), 42% celulares, 38% itens de moda e acessórios, 33% informática, 32% itens de casa e decoração e 17% produtos de saúde, cosméticos e perfumaria.

A pesquisa identificou também que 58% dos consumidores irão comprar produtos que ainda não possuem. 38% comprarão produtos para substituir outros ou repor o que já possuem e apenas 4% comprarão por motivo de lançamento ou por desejarem estar na moda/antenado(a) com as novidades.

Dos 29% que não farão compras na Black Friday, 20% alegam que o endividamento é o principal motivo para não consumir nesta data. O aumento dos preços/inflação aparece como segundo motivo (18%), seguido da contenção de despesas (17%), pagamento de outras contas da casa (15%), desemprego (12%); não ter o hábito de fazer compras nesta data/sem vantagem (12%) e redução da renda/salário (6%).

Metodologia
A Pesquisa Hábitos de Consumo na Black Friday, realizada pela Boa Vista SCPC, buscou identificar a pretensão de compras dos consumidores, as categorias de produtos e os serviços mais desejados na data. Para a sua elaboração foi utilizada a metodologia quantitativa, por meio de questionário eletrônico via internet, no período de 24 de setembro a 26 de outubro de 2018. O universo é representado por consumidores de modo geral, incluindo os que buscam informações no site Consumidor Positivo – www.consumidorpositivo.com.br. A amostra é aleatória, não probabilística, alcançando um total de 1.200 respondentes. Para a leitura dos resultados considerar 2,8% de margem de erro e confiabilidade de 95%.


Buscar por período:

TAGS

Posts relacionados

Reabertura com crédito

A flexibilização do comércio em diferentes regiões do Brasil traz incertezas na decisão de concessão de crédito. Diante deste cenário, a Boa Vista identificou um movimento de aceleração da adoção ao Cadastro Positivo pelas pequenas, médias e grandes empresas. Desde o início da pandemia, já somam mais de um milhão de consultas às soluções da…

IPCA avança 0,36% em julho, sendo o maior resultado para um mês de julho desde 2016

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) avançou 0,36% no mês de julho. No acumulado em 12 meses houve evolução para 2,31%, 0,18 p.p. acima da variação observada em junho.  Com esse resultado, o indicador acumulou alta de 0,46% no ano. O grupo Transportes (0,78%) foi o que registrou maior impacto positivo sobre o…

Pedidos de falência recuam 12,6% em julho

Os pedidos de falência caíram 12,6% em julho, na comparação com junho, segundo dados com abrangência nacional da Boa Vista. Mantida a base de comparação, os pedidos de recuperação judicial e as recuperações judiciais deferidas diminuíram 37,6% e 37,9%, respectivamente. Por outro lado, as falências decretadas registraram alta de 16,8% na variação mensal. Na análise…