Recuperação de Crédito sobe 4,7% em maio, mas ainda acumula queda no ano

O indicador de recuperação de crédito – obtido a partir da quantidade de exclusões dos registros de inadimplentes da base de dados da Boa Vista – registrou alta de 4,7% em maio contra abril, já descontados os efeitos sazonais. Na comparação com o mesmo mês de 2018, porém, houve diminuição de 9,9%, de forma que, no ano, o indicador acumula queda de 7,1%.

Em termos regionais, o acumulado do ano apresenta alta apenas na região Norte (1,5%). Em sentido oposto, na região Sul foi registrada a maior redução (-14,7%), seguida do Sudeste (-7,0%), Centro-Oeste (-5,6%) e Nordeste (-3,3%). Na comparação mensal, houve alta em todas as regiões.

Se, por um lado, o indicador de inadimplência vem apresentando queda em 12 meses, sugerindo que boa parte dos consumidores estão conseguindo manter em dia o pagamento de novas dívidas, por outro lado, o indicador de recuperação também segue em queda nessa base de comparação (1,2% em maio), sinalizando dificuldade dos endividados de reequilibrarem a sua situação financeira.

Na comparação mensal, tanto o indicador de inadimplência quanto o de recuperação apresentaram crescimento em maio, o que pode ser reflexo do aumento das concessões de crédito observado nos últimos meses. Os juros em patamares relativamente baixos tendem a alavancar o endividamento das famílias, por um lado, mas também a renegociação de dívidas, por outro, favorecendo, assim, a exclusão dos registros de inadimplentes.

Os elevados níveis de desocupação e subutilização da mão de obra, somados ao fraco crescimento da renda, contudo, ainda sinalizam tendência de queda da recuperação de crédito. Apesar da alta de maio, que, em si, é uma notícia positiva, ainda é cedo para falar em mudança desta tendência, uma vez que não há qualquer indício de alteração consistente na situação do mercado de trabalho.

Metodologia

O indicador de recuperação de crédito é elaborado a partir da quantidade de exclusões dos registros de dívidas vencidas e não pagas informados anteriormente à Boa Vista pelas empresas credoras. As séries têm como ano base a média de 2011 = 100 e passam por ajuste sazonal para avaliação da variação mensal. Em janeiro de 2014 houve atualização dos fatores sazonais e reelaboração das séries dessazonalizadas, utilizando o filtro sazonal X-12 ARIMA, disponibilizado pelo US Census Bureau.


Buscar por período:

TAGS

Posts relacionados

Pedidos de seguro-desemprego recuam 32% em junho na comparação mensal

O Ministério da Economia divulgou ontem os dados referentes ao movimento dos pedidos de seguro-desemprego. Em junho, o número de requerimentos ao seguro–desemprego foi 32% menor em relação ao mês anterior, contabilizando cerca de 653.160 pedidos na modalidade trabalhador formal. Já na comparação com junho do ano passado houve alta de 28,4%, registrando o quarto…

IPCA avança 0,26% em junho, após dois meses de deflação

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA)[1] avançou 0,26% no mês de junho. No acumulado em 12 meses houve evolução para 2,13%, 0,25 p.p. acima da variação observada em maio.  Com esse resultado, o indicador acumulou baixa de 0,11% no ano. O grupo Alimentação e bebidas (0,38%) foi o que registrou maior impacto…

Volume de serviços recua 0,9% em maio

Segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE divulgada hoje, o volume do setor de serviços recuo 0,9% na comparação com o mês anterior (dados dessazonalizados). Em relação ao mesmo mês do ano anterior, o indicador contraiu 19,4%. Com isto, o setor acumula baixa de 2,7% na análise em 12 meses. Nos resultados mensais…