Se a renda cair, consumidor deixaria de pagar primeiro financiamentos e despesas diversas

Em caso de queda na renda, 57% dos consumidores brasileiros deixariam para depois o pagamento de financiamentos e de despesas diversas, assumidos por meio de boletos e carnês. A conclusão é de pesquisa da Boa Vista, empresa que aplica inteligência analítica na transformação de informações para a tomada de decisões em concessão de crédito e negócios em geral, que ouviu mais de 1400 consumidores ao longo de todo o segundo semestre de 2020.

Em segundo lugar, ainda de acordo com a pesquisa da Boa Vista, os consumidores deixariam de pagar a fatura do cartão de crédito (32%), e em último lugar, empréstimos e cheque especial (11%).

Considerando apenas os consumidores inadimplentes, 51% disseram que deixariam de pagar as contas originadas por boletos, carnês e demais despesas diversas, caso sofram uma queda na renda; seguidos do pagamento do cartão de crédito (38%), e empréstimos e cheque-especial (11%).

Levando em conta somente os consumidores adimplentes, ou seja, que não possuem dívidas em atraso, 61% informaram que atrasariam primeiro os boletos, carnês e despesas diversas, 28% o cartão de crédito e apenas 11% deixariam de pagar contas de empréstimos e cheque-especial.

Por quê?

Dentre os consumidores em geral que deixariam de pagar boletos, carnês e contas diversas, 54% o fariam pela possibilidade de negociar a dívida no futuro, e 46% porque acreditam que há outras contas mais importantes.

Entre quem não pagaria o cartão de crédito, 64% por priorizarem outras contas e 36% porque podem negociar depois. Entre quem deixaria de pagar empréstimos e cheque-especial, os números se repetem: 36% porque podem negociar a dívida posteriormente e 64% priorizariam o pagamento de outras contas.

Contratação de empréstimo

Questionados sobre o que levariam em conta na hipótese de contratação de empréstimo para a quitação de uma dívida, 52% dos consumidores em geral apontaram a taxa de juros, 42% o valor das parcelas e 6% o prazo de pagamento.

Considerando apenas os consumidores adimplentes, 64% levariam em conta a taxa de juros, enquanto 31% apontaram o valor das parcelas e 5% o prazo de pagamento.

Já entre os consumidores inadimplentes, 59% levariam em conta o valor das parcelas, 33% a taxa de juros e 8% o prazo de pagamento.

Metodologia

Cerca de 1.400 pessoas, em todo o Brasil, responderam à pesquisa Perfil do Consumidor, da Boa Vista, por meio de questionário eletrônico, ao longo do 2º semestre de 2020. Os resultados consideram 2% de margem de erro e 95% de grau de confiança.


Buscar por período:

TAGS

Posts relacionados

Resultado do PIB revela tombo de 4,1% em 2020

Comentários:                                                                                                          Os dados do PIB do 4º trimestre, divulgados hoje pelo IBGE, ficaram dentro da projeção de recessão esperada, reforçando os efeitos das medidas restritivas decorrentes da pandemia do novo coronavírus. Ao longo de 2020, o PIB apresentou um tombo de 4,1%, interrompendo três anos de desempenho positivo do indicador. Na comparação com o 3º…

Márcio Gerbovic assume como Diretor Comercial na Boa Vista

A Boa Vista, empresa que aplica inteligência analítica na transformação de informações para a tomada de decisões em concessão de crédito e negócios em geral, anuncia Márcio Gerbovic como novo Diretor Comercial, com o objetivo de desenvolver os relacionamentos de alto nível e expandir a capacidade da empresa no incremento de soluções que tenham um…

PNADC: Taxa de desemprego encerra o ano em 13,9%

De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNADC) do IBGE, a taxa de desemprego recuou para 13,9% no trimestre móvel encerrado em dezembro de 2020. Estando 0,7 p.p. abaixo do registrado no trimestre de julho a setembro e 2,9 p.p. maior com relação ao mesmo período do ano passado (11%). Em…