A análise de riscos da clientela começa na abordagem

A análise de riscos da clientela começa na abordagem

Roseli Garcia é diretora de Rede da Boa Vista SCPC

O risco de golpes e fraudes é uma constante em nosso dia a dia. Isso é fato consumado e incontestável, pois sabemos que não há como zerá-lo, quando no máximo, reduzi-lo já é um grande desafio. Entretanto, o que tenho observado em muitos empresários é, no afã de obter soluções tecnológicas de ponta para prevenir golpes e fraudes, eles acabam baixando a guarda em um aspecto extremamente importante: abordagem.

É evidente que os sistemas de prevenção a golpes e fraudes são altamente assertivos e eficazes, principalmente quando mais tecnologias são agregadas. Contudo, em momento algum isso significa que o empreendedor deva confiar tão e somente neles, deixando de lado as percepções na conduta com o cliente. Especialistas vêm alertando, cada vez mais, sobre a necessidade do próprio lojista – com base em sua experiência com a clientela – estabelecer critérios de triagem para detecção de golpes e fraudes, e é justamente esse o ponto de reflexão.

Em primeiro lugar, ressalto mais uma vez que não existe uma receita pronta e fechada para que qualquer negócio fique 100% seguro. O empreendedor, baseado no perfil de seus clientes, pode e deve estabelecer políticas de segurança, além de definir as “áreas cinzas” do negócio – ou seja, aquelas que requerem atenção redobrada. Em outras palavras: o empresário tem sim o poder de delinear diretrizes para seu negócio a fim de detectar um comportamento suspeito. E, inclusive, isso é importantíssimo que seja alinhado com o banco de dados de crédito utilizado por ele para que a detecção de condutas suspeitas seja ainda mais apurada.

No aspecto comportamental, há itens valiosos que o lojista deve atentar-se e treinar toda a sua equipe para que fique alerta a eles: quando há uma suspeita de fraude e o portador do documento demonstrar irritação, constrangimento ou chateação por apresenta-lo, isso pode contar diversos pontos contra ele. Outra dica comportamental que requer atenção máxima é quando o suposto contraventor afirma estar atuando da parte de um terceiro: mediante essas situações, faz-se obrigatória a consulta do documento.

Outro aspecto que deve ser acompanhado estritamente de perto é a sequência contínua e em prazos regulares de compras ou movimentações em valores pequenos, quase sempre semelhantes. Diversos contraventores utilizam-se desse recurso para dissimular uma grande movimentação. Com isso, a recomendação é clara: observando operações recorrentes do mesmo cliente e, quase sempre no mesmo valor, sinal de alerta.

Há também outro procedimento extremamente óbvio e que, de tão óbvio, acaba sendo ignorado: comparar a foto do documento com a do portador, bem como a coerência da data de nascimento. Muitos criminosos que utilizam documentos furtados acabam consolidando grandes operações baseadas simplesmente na distração das pessoas que os atendem. Confie na tecnologia, mas não deixe seus instintos de lado: ambos andam em sincronia, ou seja, de mãos dadas. É importante que você zele pela saúde de seu negócio sempre!

Comentários

comentários

Posts relacionados

Vendas Dia dos Pais: pequenas e médias empresas podem contar com soluções para prospecção de clientes e prevenção de fraudes

O Dia dos Pais está próximo e, como em todas as datas comemorativas, o varejo se prepara e começa a criar estratégias para chamar a atenção dos consumidores, ao mesmo tempo em que busca alternativas para se resguardar de possíveis vendas cujos pagamentos podem não ser efetivados. Há um mês para a data, a área…

Desemprego aumenta como o principal motivo da restrição do nome dos consumidores

Ao longo do último um ano e meio, o desemprego apresentou um crescimento de 13 pontos percentuais entre os principais motivos que levaram à restrição dos consumidores brasileiros. A constatação é da Pesquisa Perfil do Consumidor, elaborada pela Boa Vista SCPC, no decorrer do 1º semestre de 2018, com cerca de 1.700 pessoas, em todo…

Recuperação de crédito cai 2,4% no 1º semestre de 2018

O indicador de recuperação de crédito – obtido a partir da quantidade de exclusões dos registros de inadimplentes da base da Boa Vista SCPC – apontou queda de 2,4% no acumulado do 1º semestre de 2018. Na comparação mensal dessazonalizada, houve queda de 2,8% em junho contra o mês anterior. Já na análise acumulada em…