Inflação acumulada em 12 meses atinge 9,28% em abril

De acordo com o IBGE, a apuração do resultado da inflação oficial (IPCA) foi de 9,28% em abril, considerando os valores acumulados em 12 meses. Apesar da queda no valor acumulado, na variação mensal o índice ficou 0,18 p.p. acima da taxa apresentada em março, variando 0,61%. Os maiores responsáveis pela elevação do índice na variação mensal foram os grupos de Saúde e Cuidados Pessoais e Alimentação e bebidas, que variaram 2,33% e 1,09%, respectivamente.

Com exceção dos grupos de Saúde e Cuidados Pessoais (que variou 0,26p.p. a mais que o registrado em março), Habitação (que passou de -0,64% para -0,38%) e Comunicação (-1,65% para 1,47%) todos os demais apresentaram desaceleração na comparação mensal com março: Educação passou de 0,63% para 0,20%; Despesas Pessoais variou 0,23% em abril ante 0,60% registrado no mês anterior; a variação em Vestuário passou de 0,69% em março para 0,40% em abril; Transportes variou 0,03% nesta aferição contra 0,16% registrado em março, Artigos de Residência passou de 0,70% para 0,36% no mesmo período e Alimentação que variou de 1,24% para 1,09%.

Sem título

Apesar da desaceleração no valor acumulado, o resultado não é suficiente para atingir a proposta estabelecida pelas metas de inflação (permite até 6,5% de inflação no ano), uma vez que o relatório Focus do BC divulgado no início da semana o mercado ainda prevê um IPCA de 6,94% para 2016.

Apesar disso, o diagnóstico da inflação nas últimas semanas tornou-se menos pessimista devido à maior contribuição de um fator exógeno para combate de aumento de preços, o câmbio, que valorizou o real frente ao dólar recentemente. Mesmo assim, levando em consideração a última Ata do COPOM (divulgada ontem pelo Banco Central), a conjuntura macroeconômica ainda não permite uma grande flexibilização dos juros básicos na economia, o que por sua vez implica que a Selic provavelmente seja mantida próxima do atual patamar, 14,25%, com perspectiva de redução de até 1p.p. até o final do ano.

Posts relacionados

Percentual de cheques devolvidos atingiu 2,07% em janeiro, segundo Boa Vista SCPC

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 2,07% em janeiro de 2017, registrando diminuição em relação a janeiro de 2016, quando alcançou 2,35%. O percentual de cheques devolvidos sobre movimentados também recuou na comparação mensal, (em dezembro o nível foi de 2,20%), sendo…

Inadimplência do consumidor sobe 3,9% em janeiro, diz Boa Vista SCPC

A inadimplência do consumidor obteve alta de 3,9% em janeiro na avaliação dessazonalizada contra dezembro, de acordo com dados nacionais da Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (fevereiro de 2016 até janeiro de 2017 frente aos 12 meses antecedentes) houve retração 1,9%. Já quando comparado o resultado de janeiro contra o mesmo…

Boa Vista SCPC lança o novo visual do Score de Crédito

O Score de Crédito da Boa Vista SCPC está de cara nova. Agora, a exibição da pontuação que indica a probabilidade de inadimplência de consumidores e empresas nos próximos meses em relatórios de Pessoa Física e Jurídica consultados via Web*, pelo site www.boavistascpc.com.br, ficou mais intuitiva e fácil de entender. Veja o que mudou:  …