PIB cresce apenas 0,2% e atinge R$ 1,018 tri no primeiro trimestre

Por Yan Cattani, Economista da Área de Indicadores e Estudos Econômicos da Boa Vista SCPC

Segundo o IBGE, o PIB (Produto Interno Bruto) atingiu R$1,018 trilhões no primeiro trimestre de 2014, aumento de 0,2% frente ao último trimestre de 2013 na análise com ajuste sazonal, em linha com as expectativas de mercado. No crescimento acumulado em 4 trimestres, houve alta de 2,5% no período na comparação com o mesmo período do ano anterior. Na comparação com o mesmo trimestre do ano passado, o crescimento foi de 1,9%, mantendo, portanto, o ritmo de crescimento apresentado no último trimestre de 2013.

Avaliando os resultados da demanda em relação ao último trimestre de 2013, com exceção das importações que cresceram 1,4% (favorecidas pela valorização do real frente ao dólar), todas as demais aberturas tiveram desempenho pior na avaliação do 4T13/3T13 no mesmo tipo de análise. Consumo das famílias caíram 0,1% (ante crescimento de 0,9% no trimestre anterior), gastos do governo desaceleraram de 0,9% para 0,7%, exportações caíram 3,3% (influenciadas negativamente pelo mesmo motivo de apreciação do dólar), enquanto formação bruta de capital fixo voltou a cair, 2,1% frente queda anterior de 1,2% .

Pelo lado da oferta, o setor agropecuário atingiu crescimento de 3,6%, ante queda de 0,5% registrada anteriormente.

A indústria também superou a variação negativa do ano anterior (-0,8%), intensificando assim a aceleração da queda (-0,2% no último trimestre). O resultado foi puxado preponderantemente pela queda no setor de materiais de construção, que caiu na margem 2,3%.

Por fim, o setor de serviços apresentou alta de 0,4%, mas também um resultado inferior quando comparado ao último trimestre de 2013, quando subira na margem 0,7%. O principal setor que influenciou esta alta foi intermediação financeira, com variação de +1,2%. Outro destaque foram os serviços de informações, que no trimestre anterior havia crescido 6,8%, e agora caíram 5,3% nesta aferição. Transportes foi o único setor a apresentar aceleração na margem, com alta de 0,8% (ante resultado de 0,6%).

O crescimento da atividade econômica veio em linha com as expectativas. Apesar da desaceleração/queda predominante nas margens, na avaliação de longo prazo o cenário é um pouco menos pessimista. Pelo lado da oferta, há uma desaceleração do setor agropecuário, muito em virtude do efeito base de comparação: 2013 foi um ano excepcional para agricultura. Este efeito é o mesmo observado – mas às avessas – na indústria, daí seu melhor crescimento relativo (contudo ainda em ritmo menor que o esperado). Serviços, por sua vez, apresenta ainda uma boa perspectiva devido aos eventos internos que ainda estão por acontecer no país (Copa do Mundo e Eleições).

Ainda assim, outros indicadores de atividade não vêm apresentando resultados animadores. Dois cenários não favorecem. O primeiro é o interno: efeitos defasados do aperto monetário sobre o crédito, inflação ainda em patamares incômodos e contas públicas deterioradas. O outro é uma menor demanda global: economia americana e Zona do Euro apresentaram dados ruins nos últimos resultados, China desacelerou e conflitos em emergentes (como Rússia e Tailândia) pioram a aversão ao risco do investidor internacional.

Com estas perspectivas em mente, ainda é cedo para afirmar que de fato haverá uma maior desaceleração do PIB até o final do ano. Caso os fatores citados se deteriorem, podemos esperar resultado abaixo de 1,6%, atualmente previsto pela equipe da Boa Vista SCPC em 2014.

Os resultados citados encontram-se disponíveis na tabela resumida abaixo.

PIB 1T14

Posts relacionados

Fazer parte do Cadastro Positivo passa a ser fundamental para o consumidor, afirma Boa Vista SCPC

Se por um lado a aprovação da Medida Provisória que tornará automática a adesão dos consumidores brasileiros ao banco de dados de bons pagadores, em virtude da alteração na Lei 12.414/2011 está, por tempo indeterminado, pendente em Brasília, por outro, passa a ser cada vez mais contundente a responsabilidade de o consumidor conhecer e entender…

Percentual de cheques devolvidos atinge 2,11% em maio, segundo Boa Vista SCPC

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 2,11% em maio, registrando uma diminuição em relação ao mesmo mês do ano anterior, quando alcançou 2,33%. Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados obteve leve aumento (em abril o nível foi de…

Movimento do Comércio sobe 2,7% em maio, diz Boa Vista SCPC

Informações do varejo apuradas pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito) apontam que o Movimento do Comércio subiu 2,7% em maio, considerando os dados mensais com ajuste sazonal. Na avaliação acumulada em 12 meses (junho de 2016 até maio de 2017 frente ao mesmo período do ano anterior) houve queda de 3,0%…