PIB retrai 0,2% no 1T do ano

Em valores correntes o PIB atingiu R$ 1,4 trilhão no período

Segundo o IBGE, o PIB (Produto Interno Bruto) retraiu 0,2% no 1T de 2015 na análise contra o trimestre imediatamente anterior, com os dados dessazonalizados, atingindo R$ 1,4 trilhão no período. Na comparação do 1T contra o mesmo período do ano anterior (análise interanual) queda foi de 1,6%. Quanto a análise da tendência – variação acumulada em 4 trimestres – o resultado passou de 0,1% no 4T de 2014 para -0,9% no primeiro trimestre do ano.

Com relação aos resultados da oferta, na análise dos dados com ajuste sazonal, o pior desempenho foi do setor de serviços que obteve queda de 0,7% no 1T de 2015 contra o último trimestre de 2014. Na mesma base de comparação, o setor industrial retraiu 0,3% e a agropecuária cresceu 4,7%. O principal componente da demanda, o Consumo das Famílias, foi o que obteve a queda mais significante de -1,5% no trimestre, o pior resultado desde o 4T de 2008, quando caiu 2,1%. Consumo do Governo e Formação Bruta de Capital Fixo também cederam 1,3% cada. Para o setor externo, as Exportações registraram alta de 5,7% e Importações 1,2%.

O início do ano concretizou o baixo crescimento esperado pelo mercado. Na avaliação da demanda, a principal abertura representada pelo consumo das famílias, apesar de não mostrar resultados expressivos desde o final de 2012, apresentou um nível de queda que não era observado desde a crise de 2008. Pela ótica da oferta, o setor de agropecuária foi o único a sustentar crescimento.

Para os próximos meses, a perspectiva é de maior deterioração dos indicadores nacionais. Com uma série de ajustes em curso, tanto fiscais quanto monetários, o desempenho econômico de curto prazo e médio prazo certamente será afetado, deixando melhores resultados somente para 2016 – quando o mercado readquirir confiança por parte dos consumidores e empresários. Adicionalmente, o cenário externo para curto prazo não favorece: em termos de economia internacional, o impacto mais relevante deverá vir da retirada dos estímulos monetários americanos, subindo os juros internacionais e afetando consequentemente economias emergentes. Levando em consideração toda esta gama de variáveis, esperamos que PIB para 2015 se consolide em patamar negativo, por volta de -1,5%.

Os resultados citados encontram-se disponíveis na tabela resumida abaixo.

pib1
pib2

Posts relacionados

Número de novas empresas aumentou 6,6% no 1º trimestre de 2017, segundo Boa Vista SCPC

No 1º trimestre de 2017 o número de novas empresas cresceu 6,6% em relação ao mesmo período de 2016 (análise interanual), segundo levantamento da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), com abrangência nacional. Em relação ao 4º trimestre de 2016 houve aumento de 29,2%. Forma jurídica Na análise por classificação de forma…

Inadimplência das empresas inicia 2017 com queda de 0,3%, diz a Boa Vista SCPC

A inadimplência das empresas em todo o país caiu 0,3% no 1º trimestre de 2017 quando comparada ao mesmo trimestre do ano anterior, de acordo com dados da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Depois de três anos consecutivos de alta do indicador na comparação interanual (1º tri de 2017 contra o…

Boa Vista SCPC: inadimplência do consumidor paulistano caiu 4,3% no 1º trimestre

A inadimplência do consumidor na cidade de São Paulo teve queda de 4,3% no acumulado do ano (1º trimestre de 2017 contra o mesmo período do ano passado), de acordo com os dados da Boa Vista SCPC. Na comparação interanual (março-17 contra março-16), a inadimplência retraiu 8,4%. Contra o mês anterior (março-17 contra fevereiro-17) houve…