PME: Desemprego sobe para 5,9% em março

De acordo com o IBGE, a taxa de desemprego em março atingiu 5,9% da população economicamente ativa na série com ajuste sazonal, sendo o maior valor desde outubro de 2011. Na série sem ajuste, o mês registrou 6,2% de desocupação, subindo 0,3 p.p. com relação a fevereiro. Já para as regiões metropolitanas ficou a seguinte configuração: Recife (8,1%), Salvador (12,0%), Belo Horizonte (4,7%), Rio de Janeiro (4,8%), São Paulo (6,0%) e Porto Alegre (5,1%).

Com relação aos rendimentos reais, o valor médio habitual foi de R$2.134,60, caindo 3,0% na variação interanual. Na comparação mensal (contra o mês imediatamente anterior, com dados dessazonalizados) os rendimentos apresentaram recuo de 2,8%.

O mercado de trabalho mostra grandes sinais de desaquecimento. Considerando os dados de desocupação, houve elevação pela terceira vez consecutiva dos dados nacionais dessazonalizados. Em termos regionais, o desemprego nas regiões metropolitanas do nordeste, especificamente,  atinge níveis alarmantes, sobretudo em Salvador. O rendimento real, por sua vez, nos dados sem ajuste sazonal, voltou a romper o piso delimitado pela média histórica (desde fev/04) em menos de 2 anos.

A perspectiva de deterioração é inevitável: o mau andamento da economia e o consequente aumento das demissões em diversos segmentos produtivos (sobretudo no setor industrial) consolida-se mês a mês; barreiras sobre diversos benefícios trabalhistas também já mostram os primeiros impactos no aumento do desemprego e queda dos rendimentos reais. A inflação, que deverá rondar próxima de 8,0% no ano, também colaborará adicionalmente para o aperto real dos ganhos. Com estas perspectivas, estimamos que o desemprego calculado pela PME eleve-se em 1,4 p.p., atingindo 7,0% ao final de 2015, enquanto o rendimento deve desacelerar para patamar próximo a 0,2%.

pme

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…

Volume de serviços recua 1,0% em agosto e 4,5% no acumulado 12 meses

Segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE, o volume de serviços apresentou queda de 1,0% em agosto contra o mês anterior (dados dessazonalizados). A categoria de serviços prestados às famílias foi a única a apresentar queda (-4,8%), bastante atípica para o mês considerando o histórico da série. Os demais grupos apresentaram crescimento: Serviços…