PNAD: Desemprego atinge 10,2% e rendimentos caem 3,9% em um ano

De acordo com a Pesquisa Nacional de Amostragem Domiciliar Contínua (PNAD) do IBGE, a taxa de desemprego fechou em 10,2% no trimestre móvel encerrado em fevereiro. O valor é 0.7p.p. superior ao registrado no trimestre móvel encerrado em janeiro. Também é superior aos 7,4% registrados no mesmo período em 2015.

Sem título

É a primeira vez que o número atinge dois dígitos, desde o início da série histórica em 2012. O número de pessoas desempregadas atingiu cerca de 10,3 milhões de trabalhadores, com elevação de 40,1% frente ao resultado do ano anterior.

O nível de ocupação caiu de forma significativa na indústria (-10,4%) na comparação interanual (comparação contra o mesmo período do ano anterior). A queda do número de trabalhadores sem carteira foi mais significativa: 4,8% contra 3,8% vivenciado no mercado formal. Já nos tipos de emprego, os trabalhadores esporádicos (auxiliares familiares, que complementam a renda familiar) sofreram a queda mais significante, com 16,2%.

O rendimento habitual real registrou uma média de R$1.934, o que significa uma queda de 3,9% em termos interanuais.

Sem título

O recuo na atividade econômica e no consumo das famílias têm levado as empresas a reduzirem seus custos, aumentando o número de demissões. Além disso, em busca de complementação para a renda o número de pessoas em busca de emprego aumentou. Tendo em vista a pouca possibilidade de mudanças no curto prazo, o cenário mais provável é que a PNAD continue em tendência de alta ao longo do ano.

 

Posts relacionados

CAGED: Setembro registra sexto saldo positivo consecutivo

Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) do Ministério do Trabalho, em setembro o saldo de vagas no mercado de trabalho (diferença entre novas contratações e demissões) foi positivo em 34,4 mil postos. Deste modo, a leitura atual contrasta quando comparado ao mesmo período do ano anterior, quando foram encerradas 39,3…

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…