PNAD: Desemprego atinge 6,8% no terceiro tri

Por Yan Cattani, economista da Área de Indicadores e Estudos Econômicos da Boa Vista SCPC

De acordo com o IBGE, a taxa de desemprego do terceiro trimestre registrou 6,8% da população economicamente ativa. Em termos regionais, o Nordeste apresenta a maior taxa, 8,6%, seguida do Norte e Sudeste, ambos com 6,9% de desocupação. Sul e Centro-Oeste apresentam 4,2% e 5,4% respectivamente.

Os dados apresentam coerência com relação à Pesquisa Mensal de Emprego, uma vez que houve estabilidade do desemprego nas duas pesquisas. Enquanto a PME é uma pesquisa restrita às regiões metropolitanas, com maior adensamento urbano e populacional, a PNAD acaba captando melhor a média nacional. Regionalmente, a PNAD contínua acaba fornecendo dados de maior qualidade microeconômica, já que sua amostra é realizada em aproximadamente 3.500 municípios. Com isso conseguimos observar as tendências das regiões centro-oeste e norte, antes inexistentes nas análises fornecidas pela PME.

Em termos comparativos com o resto do mundo, a taxa brasileira representada pela PNAD fica acima da taxa aferida em alguns países, como EUA, que em novembro já atinge 5,8% de desocupação ou mesmo do Reino Unido, atualmente com 6,0% (dados referentes a outubro). Já com relação à União Europeia, o número brasileiro significativamente menor quando comparado aos dados europeus, de 10%.
Em suma, o mercado de trabalho continua bastante aquecido, com baixo nível de desocupação e rendimentos crescentes. Para os próximos meses, a deterioração do cenário macroeconômico em geral, alta da Selic, aumento das demissões em diversos segmentos da economia (sobretudo no setor industrial), aperto monetário de fiscal, entre outros fatores, deverão contribuir para que haja uma reversão das atuais tendências, traduzidas em aumento do desemprego e desaceleração dos rendimentos reais.

pnad set14

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…

Volume de serviços recua 1,0% em agosto e 4,5% no acumulado 12 meses

Segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE, o volume de serviços apresentou queda de 1,0% em agosto contra o mês anterior (dados dessazonalizados). A categoria de serviços prestados às famílias foi a única a apresentar queda (-4,8%), bastante atípica para o mês considerando o histórico da série. Os demais grupos apresentaram crescimento: Serviços…