A famigerada confiança

Por Yan Cattani

“A recuperação da atividade vai depender da recuperação da confiança”. A afirmação, apesar de recente, não é novidade. A fala de hoje do novo ministro da Fazenda Henrique Meirelles concentra uma série de decisões necessárias e complexas, divulgadas hoje em um pacote de novas medidas econômicas.

Enquanto a inflexão da confiança não se mostrar sustentável, as variáveis econômicas continuarão com tendências negativas. E entre os diversos setores que seguem cambaleando, o varejo talvez seja um dos que melhor sinalize os prejuízos de uma economia combalida.

De acordo com os dados do varejo apurados pela Boa Vista SCPC, o indicador de Movimento do Comércio caiu 5,0% em abril na avaliação dos valores acumulados em 12 meses, acelerando em 0,5 ponto percentual o movimento de queda registrado no mês anterior. Portanto, ainda é provável que até o término de 2016, o setor não consiga se recuperar e registre novo resultado negativo.

Apesar disso, segundo a Fundação Getúlio Vargas, o Índice de Confiança do Consumidor (ICC) avançou 3,5 pontos em maio, na comparação com abril, atingindo 67,9 pontos na análise mensal dos dados com ajuste sazonal. Esta melhora, momentânea, deve-se preponderantemente ao aumento do índice de Expectativas (IE), que subiu 8,1%, uma vez que o Índice da Situação Atual (ISA) subiu apenas 1,2%.

Pode ser o início de uma melhora? Ainda é cedo para dizer. O nível de confiança do consumidor continua bastante abaixo de sua média histórica. Para que o trabalho de recuperação da famigerada confiança de fato se concretize e que seja efetivo para que consigamos evitar um novo resultado de atividade econômica negativo em 2017, torna-se necessário que seja contínuo e imediato. E isso depende da aprovação de medidas pra lá de polêmicas por um governo em busca de credibilidade. Não vai ser fácil, nem rápido.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Maioria dos consumidores afirma ter perfil equilibrado quanto aos seus hábitos de consumo, revela pesquisa da Boa Vista SCPC

A maioria dos entrevistados (59%) em pesquisa inédita desenvolvida pela Boa Vista SCPC afirma ter um perfil equilibrado quando questionada sobre os seus hábitos de compra. Outros 28% dizem ter perfil conservador, e 13% afirmam ser consumistas. O levantamento da Boa Vista SCPC, elaborado com 1.169 entrevistados, em todo o Brasil, no período entre 31…

Parceria ADASP com a Boa Vista SCPC possibilita a ampliação de resultados

A Boa Vista SCPC tem parceria com mais de 2.200 entidades de classes representativas em todo o Brasil. Destaca-se também pela inovação e contínuo investimento em tecnologia para desenvolvimento de soluções que antecipem as principais demandas do mercado. Possui um time com centenas de profissionais especializados em modelagem estatística de informações, o que garante produtos…

Percentual de cheques devolvidos atingiu 2,06% em fevereiro, segundo Boa Vista SCPC

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados atingiu 2,06% em fevereiro, registrando diminuição em relação a fevereiro de 2016, quando alcançou 2,22%. O percentual de cheques devolvidos sobre movimentados também recuou na comparação mensal (em janeiro o nível foi de 2,07%), sendo o resultado…