A famigerada confiança

Por Yan Cattani

“A recuperação da atividade vai depender da recuperação da confiança”. A afirmação, apesar de recente, não é novidade. A fala de hoje do novo ministro da Fazenda Henrique Meirelles concentra uma série de decisões necessárias e complexas, divulgadas hoje em um pacote de novas medidas econômicas.

Enquanto a inflexão da confiança não se mostrar sustentável, as variáveis econômicas continuarão com tendências negativas. E entre os diversos setores que seguem cambaleando, o varejo talvez seja um dos que melhor sinalize os prejuízos de uma economia combalida.

De acordo com os dados do varejo apurados pela Boa Vista SCPC, o indicador de Movimento do Comércio caiu 5,0% em abril na avaliação dos valores acumulados em 12 meses, acelerando em 0,5 ponto percentual o movimento de queda registrado no mês anterior. Portanto, ainda é provável que até o término de 2016, o setor não consiga se recuperar e registre novo resultado negativo.

Apesar disso, segundo a Fundação Getúlio Vargas, o Índice de Confiança do Consumidor (ICC) avançou 3,5 pontos em maio, na comparação com abril, atingindo 67,9 pontos na análise mensal dos dados com ajuste sazonal. Esta melhora, momentânea, deve-se preponderantemente ao aumento do índice de Expectativas (IE), que subiu 8,1%, uma vez que o Índice da Situação Atual (ISA) subiu apenas 1,2%.

Pode ser o início de uma melhora? Ainda é cedo para dizer. O nível de confiança do consumidor continua bastante abaixo de sua média histórica. Para que o trabalho de recuperação da famigerada confiança de fato se concretize e que seja efetivo para que consigamos evitar um novo resultado de atividade econômica negativo em 2017, torna-se necessário que seja contínuo e imediato. E isso depende da aprovação de medidas pra lá de polêmicas por um governo em busca de credibilidade. Não vai ser fácil, nem rápido.

Comentários

comentários

Posts relacionados

CAGED: Setembro registra sexto saldo positivo consecutivo

Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) do Ministério do Trabalho, em setembro o saldo de vagas no mercado de trabalho (diferença entre novas contratações e demissões) foi positivo em 34,4 mil postos. Deste modo, a leitura atual contrasta quando comparado ao mesmo período do ano anterior, quando foram encerradas 39,3…

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…