Abrandamento do PIB chinês realça os desafios para implementar reformas

Por José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

A Agência Nacional de Estatísticas da China divulgou que o PIB de 2013 acumulou alta de 7,7%, contra 7,8% observado no ano anterior. Esse resultado ficou acima da meta do governo, que era de um crescimento anual de 7,5%. A produção industrial avançou 9,7% em dezembro na comparação com dezembro de 2012. O varejo teve um crescimento de 13,6% sobre o ano anterior. A maior alta ficou com o investimento em ativos fixos, que teve um aumento de 19,6% em 2013 em comparação com o ano de 2012.

O crescimento da economia chinesa no ano passado deveu-se em larga escala ao pequeno estímulo do investimento no último trimestre do ano, que contribuiu com um impulso temporário. A China enfrenta problemas estruturais não desprezíveis. O crédito para empresas e entes governamentais aumentou exponencialmente desde 2009 para não permitir o desemprego no estouro da bolha americana. No período de 2007 a 2012 o crédito total subiu 170%. Entre os BRICs, a China é a economia com maior alavancagem em crédito corporativo. A previsão para 2014 aponta para um crescimento abaixo dos 7,5% de 2013, como consequência das reformas da administração de Xi Jinping para corrigir desequilíbrios resultantes da política expansionista dos últimos anos, apoiada no crédito e investimento.

Ed.348

Comentários

comentários

Posts relacionados

CAGED: Setembro registra sexto saldo positivo consecutivo

Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) do Ministério do Trabalho, em setembro o saldo de vagas no mercado de trabalho (diferença entre novas contratações e demissões) foi positivo em 34,4 mil postos. Deste modo, a leitura atual contrasta quando comparado ao mesmo período do ano anterior, quando foram encerradas 39,3…

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…