Agência de risco altera perspectiva de nota do Brasil

Por José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

A agência de classificação de risco Moody’s reafirmou a nota de crédito do Brasil em Baa2 e reduziu de estável para negativa a perspectiva do rating. A revisão da perspectiva da nota funciona como um aviso de que a nota poderá ser rebaixada. A agência atribuiu a piora da avaliação à persistência do baixo crescimento da economia nos últimos quatro anos e à redução dos superávits primários. A agência também argumenta que a crise internacional não é responsável pelo baixo crescimento ao indicar que a desaceleração é decorrente de “fatores idiossincráticos que, em grande medida, refletem fraquezas domésticas.” No ano passado a S&P, outra agência de rating, já havia colocado o Brasil em perspectiva negativa e rebaixou o rating do Brasil este ano para BBB-.

Normalmente o período para uma revisão da nota após a perspectiva ter sido alterada é em torno de 12 meses. A mudança de perspectiva, no entanto, tende a encarecer o custo da dívida pública e das empresas. Embora o argumento de um PIB baixo possa ser usado como justificativa para a perspectiva negativa, a verdade é que a nota Baa2 dessa agência de classificação não parece adequada. As despesas correntes crescendo acima do PIB, o perfil da dívida pública, a existência de precatórios, a taxa de investimentos abaixo do desejável, o déficit em transações correntes em 3,6% do PIB e a alta e complexa carga tributária no Brasil são alguns dos fatores que não são compatíveis com uma nota de risco considerada como “grau de investimento” BBB.

 

Comentários

comentários

Posts relacionados

Fazer parte do Cadastro Positivo passa a ser fundamental para o consumidor, afirma Boa Vista SCPC

Se por um lado a aprovação da Medida Provisória que tornará automática a adesão dos consumidores brasileiros ao banco de dados de bons pagadores, em virtude da alteração na Lei 12.414/2011 está, por tempo indeterminado, pendente em Brasília, por outro, passa a ser cada vez mais contundente a responsabilidade de o consumidor conhecer e entender…

Percentual de cheques devolvidos atinge 2,11% em maio, segundo Boa Vista SCPC

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 2,11% em maio, registrando uma diminuição em relação ao mesmo mês do ano anterior, quando alcançou 2,33%. Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados obteve leve aumento (em abril o nível foi de…

Movimento do Comércio sobe 2,7% em maio, diz Boa Vista SCPC

Informações do varejo apuradas pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito) apontam que o Movimento do Comércio subiu 2,7% em maio, considerando os dados mensais com ajuste sazonal. Na avaliação acumulada em 12 meses (junho de 2016 até maio de 2017 frente ao mesmo período do ano anterior) houve queda de 3,0%…