Agência de risco altera perspectiva de nota do Brasil

Por José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

A agência de classificação de risco Moody’s reafirmou a nota de crédito do Brasil em Baa2 e reduziu de estável para negativa a perspectiva do rating. A revisão da perspectiva da nota funciona como um aviso de que a nota poderá ser rebaixada. A agência atribuiu a piora da avaliação à persistência do baixo crescimento da economia nos últimos quatro anos e à redução dos superávits primários. A agência também argumenta que a crise internacional não é responsável pelo baixo crescimento ao indicar que a desaceleração é decorrente de “fatores idiossincráticos que, em grande medida, refletem fraquezas domésticas.” No ano passado a S&P, outra agência de rating, já havia colocado o Brasil em perspectiva negativa e rebaixou o rating do Brasil este ano para BBB-.

Normalmente o período para uma revisão da nota após a perspectiva ter sido alterada é em torno de 12 meses. A mudança de perspectiva, no entanto, tende a encarecer o custo da dívida pública e das empresas. Embora o argumento de um PIB baixo possa ser usado como justificativa para a perspectiva negativa, a verdade é que a nota Baa2 dessa agência de classificação não parece adequada. As despesas correntes crescendo acima do PIB, o perfil da dívida pública, a existência de precatórios, a taxa de investimentos abaixo do desejável, o déficit em transações correntes em 3,6% do PIB e a alta e complexa carga tributária no Brasil são alguns dos fatores que não são compatíveis com uma nota de risco considerada como “grau de investimento” BBB.

 

Comentários

comentários

Posts relacionados

CAGED: Setembro registra sexto saldo positivo consecutivo

Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) do Ministério do Trabalho, em setembro o saldo de vagas no mercado de trabalho (diferença entre novas contratações e demissões) foi positivo em 34,4 mil postos. Deste modo, a leitura atual contrasta quando comparado ao mesmo período do ano anterior, quando foram encerradas 39,3…

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…