Águas de março

Por Yan Cattani

“É pau, é pedra”. Já esperados, os resultados consolidados e divulgados hoje pelo IBGE para a economia referente ao primeiro trimestre trazem dados bem negativos. Mas será “o fim do caminho” da recessão? É possível esperarmos uma inflexão da tendência de queda da atividade econômica ainda neste ano? O PIB (Produto Interno Bruto) recuou 0,3% na análise dessazonalizada contra o último trimestre de 2015, e 4,7% na variação acumulada em 4 trimestres dos dados sem ajuste sazonal.

O diagnóstico da demanda continua o mesmo: de um lado uma inflação elevada e a política monetária contracionista atuando como fortes determinantes da redução do poder de compra das famílias. De outro, as empresas acumulando estoques e realizando desinvestimento. Ademais, os gastos governamentais continuaram elevados, fator extremamente negativo para ocasião, dada a conjuntura de deterioração das contas públicas e suas implicações sobre o setor produtivo.

Já pelo lado da oferta, a indústria tem atuado como a verdadeira âncora da produção. A estagnação e recessão de setores notáveis como os da construção civil, petróleo e gás, bens de capital em geral, têm disseminado o desempenho negativo para as demais áreas de atividade produtiva, sobretudo para o setor de serviços, dependente em grande parte das demandas industriais – e o maior em termos de representatividade na produção total da economia.

Mas apesar do novo tombo da atividade agregada, já é possível observar uma desaceleração da queda das tendências dos componentes do PIB (em ambas óticas aqui detalhadas, da oferta e da demanda), em específico, a demanda das famílias e indústria.

Com esses resultados, espera-se que uma inflexão generalizada do movimento negativo dos componentes do PIB já ocorra no 3° trimestre, fato que apesar de ainda não retirar a economia da esteira da recessão, ao menos poderá implicar em uma retomada do crescimento econômico antes do previsto, contanto que os indicadores de confiança continuem a melhorar. São as águas de março, fechando o gélido inverno da depressão econômica. 

 

Comentários

comentários

Posts relacionados

CAGED: Setembro registra sexto saldo positivo consecutivo

Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) do Ministério do Trabalho, em setembro o saldo de vagas no mercado de trabalho (diferença entre novas contratações e demissões) foi positivo em 34,4 mil postos. Deste modo, a leitura atual contrasta quando comparado ao mesmo período do ano anterior, quando foram encerradas 39,3…

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…