Ajuste do ajuste

O debate sobre o ajuste fiscal deverá intensificar-se nos próximos meses. Até março, as contas públicas não pararam de piorar: no acumulado em doze meses até o mês de referência registrou-se déficit primário de R$ 39,2 bilhões (0,7% do PIB). Ou seja, o déficit na realidade aumentou, uma vez que na comparação análoga com fevereiro o acumulado foi de R$ 35,8 bilhões (0,64% do PIB).

O resultado é preocupante. Até o momento, a principal agenda de cortes ainda depende do aval do poder Legislativo, cujas negociações não possuem prazo definidos para votação. Além desta dificuldade, deve-se levar em conta a atualização recente da metodologia do PIB feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que deverá dificultar o atingimento da meta de superávit primário de 1,2% do PIB.

De acordo com o Tesouro Nacional, a meta nominal legalmente a ser cumprida previa um esforço fiscal de R$ 66,3 bilhões. Entretanto, com a incorporação do novo método do PIB, a meta deverá subir para R$ 70,1 bilhões. Em termos práticos, seria necessário praticamente mais um mês de contas ajustadas para que o resultado fosse atingido, uma vez que a média da antiga projeção era de R$ 7,3 bilhões por mês. O próprio secretário do Tesouro Nacional, Marcelo Saintive, afirmou ontem que os resultados não têm sido satisfatórios, mas que já é possível observar uma “reversão de tendência” deficitária. De fato, até o momento as alterações de regras para concessão de pensão por morte e seguro-desemprego já economizaram quase R$ 4 bilhões, enquanto as mudanças no abono salarial também contribuíram para redução de outros R$ 7 bilhões. Ainda assim, ficaram bastante abaixo do planejamento inicial, de R$ 18 bilhões.

Os aumentos de tributos são, portanto, indispensáveis para que a meta, ou pelo menos algo próximo a ela, seja atingida. Os trâmites do Congresso Nacional devem agir com celeridade até o meio do ano para que tais aumentos possam vigorar com maior efetividade ainda neste ano. Assim, a preocupação em atingir a meta começa a perder lugar para a possível piora do cenário econômico em 2016, caso os ajustes não sejam cumpridos em sua plenitude.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…

Volume de serviços recua 1,0% em agosto e 4,5% no acumulado 12 meses

Segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE, o volume de serviços apresentou queda de 1,0% em agosto contra o mês anterior (dados dessazonalizados). A categoria de serviços prestados às famílias foi a única a apresentar queda (-4,8%), bastante atípica para o mês considerando o histórico da série. Os demais grupos apresentaram crescimento: Serviços…