Ajuste mundial impõe pedágio maior ao Brasil

Por Paulo Rabello de Castro, da RC Consultores

O enorme mau humor dos mercados, espelhado na recente mididesvalorização, parece hiper-reação a uma condição estrutural de fraqueza do setor produtivo nacional. O Brasil já deveria saber, há anos, que os governos têm posto fora a oportunidade única de realizarmos a transformação brasileira na direção de mais investimentos, sobretudo privados. O real teve, desde maio, a pior queda entre os emergentes, com 19% de perda, contra 17% da rúpia indiana, 13,4% do rand Sul-africano ou 7,7% do peso argentino. Mas a comparação é algo injusta: desde o primeiro dia de janeiro, o Brasil não apresenta a queda mais acentuada. O real ficou no meio da lista sob pressão da saída de recursos dos mercados emergentes. As bolsas de países “paraísos” dos investidores mostram quedas fortes em seus índices.

O pedágio moral do Brasil é mais alto nesse momento por nossa culpa. Primeiro, por deixarmos o Brasil se tornar monodependente das commodities que exporta, quase todas sob forte pressão de baixa. Daí a queda do valor do real, que o modelo cambial da RC captura quando o índice brasileiro de commodities resvala para baixo. E continuará caindo. Maior ainda é a influência de erros de governança no modelo explicativo do câmbio. O nível de aprovação do governo Dilma, em forte queda mês passado, ajudou a explicar muito a queda do real. Isso não indica que a moeda continuará perdendo valor. A tendência normal do real seria reconquistar parte do valor perdido. Mas o próprio governo pode seguir atrapalhando. Quando supostos artífices do próximo programa de Dilma para 2015 deixam vazar que darão ênfase a mais impostos para fortalecer a capacidade do governo central de poder gastar mais não há bom humor que resista a tamanho despropósito.

Ed.253

Comentários

comentários

Posts relacionados

47% dos consumidores inadimplentes estão muito endividados, revela pesquisa da Boa Vista SCPC

O nível de endividamento elevado (muito endividado) atinge 47% dos consumidores inadimplentes, ou seja, que estão com o “nome sujo”, de acordo com a pesquisa nacional Perfil do Consumidor Inadimplente, realizada pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), com cerca de 1.500 respondentes. Em seguida, 26% se dizem mais ou menos endividados,…

Boa Vista SCPC: recuperação de crédito cai 1,1% no semestre

O indicador de recuperação de crédito – obtido a partir da quantidade de exclusões dos registros de inadimplentes da base da Boa Vista SCPC – apontou queda de 1,1% no 1º semestre do ano quando comparado ao mesmo período do ano anterior. Na variação acumulada em 12 meses (julho de 2016 até junho de 2017)…

Inadimplência do consumidor cai 0,8% no 1º semestre, diz Boa Vista SCPC

A inadimplência do consumidor caiu 0,8% no 1º semestre de 2017, na comparação com o 1º semestre de 2016, de acordo com dados nacionais da Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (julho de 2016 até junho de 2017 frente aos 12 meses antecedentes) houve retração de 3,1%. Na avaliação mensal dessazonalizada, a…