Alta inadimplência pode ser revertida

Por Fabio Silveira, da RC Consultores

A inadimplência do consumidor brasileiro tem permanecido relativamente estabilizada em patamar alto durante alguns meses, aumentando o risco de haver alguma fragilização de cadeias produtivas, sobretudo de bens de consumo. Este movimento, todavia, pode ser revertido.

Para tanto, é fundamental que instituições financeiras e congêneres continuem investindo, expandindo e sofisticando tecnicamente suas áreas de análise de crédito, com o objetivo de conhecer melhor o perfil daqueles para quem elas emprestam. O momento para isso segue propício, já que o mais importante, a massa real de rendimento, ainda evolui positivamente (ao contrário do observado nos surtos de inadimplência das décadas de 90 e 2000). O prosseguimento da política de redução de juros seria bem-vindo, pois contribuiria para o barateamento do custo de rolagem das dívidas dos consumidores inadimplentes, que deve se intensificar nos próximos meses.

 Ed.40

Comentários

comentários

Posts relacionados

Boa Vista SCPC: inadimplência do consumidor paulistano caiu 4,3% no 1º trimestre

A inadimplência do consumidor na cidade de São Paulo teve queda de 4,3% no acumulado do ano (1º trimestre de 2017 contra o mesmo período do ano passado), de acordo com os dados da Boa Vista SCPC. Na comparação interanual (março-17 contra março-16), a inadimplência retraiu 8,4%. Contra o mês anterior (março-17 contra fevereiro-17) houve…

Demanda por Crédito do Consumidor cai 4,0% no 1º trimestre, segundo Boa Vista SCPC

Dados nacionais da Boa Vista SCPC apontam que a Demanda por Crédito do Consumidor caiu 4,0% no 1º trimestre de 2017 na comparação com o mesmo período do ano anterior. Já na avaliação dos valores acumulados em 12 meses (abril de 2016 até março de 2017 frente aos 12 meses antecedentes) houve retração de 9,3%,…

Percentual de cheques devolvidos atinge 2,29% em março, segundo Boa Vista SCPC

No mesmo mês do ano anterior, o percentual foi de 2,59% 20 de abril 2017 – O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 2,29% em março, registrando diminuição em relação ao mesmo mês do ano anterior, quando alcançou 2,59%. O que representa menos cheques…