Argentina desvaloriza e peso argentino seguirá pressionado

Por Paulo Rabello de Castro, da RC Consultores

O BCRA, Banco Central da República Argentina, deixou de intervir, como o faz diariamente, na sustentação do peso argentino e, com isso, a moeda local escorregou 3,5% no dia de ontem contra o dólar. O BCRA já vinha permitindo uma desvalorização diária do cambio argentino oficial desde o segundo semestre de 2013. Neste mês de janeiro, a desvalorização acumulada já perfaz 9,5%, uma mididesvalorização do peso. A moeda no paralelo, que lá se chama sutilmente de “blue”, também seguiu desvalorizando e fechou ontem acima de 12 pesos por US$. No oficial, com a queda de ontem, o peso foi a 7,14 pesos, que ainda denota o grau de incerteza em relação à política econômica – se é que se pode chamar assim – do governo de Cristina Kirschner. A presidenta, que vinha reiterando não querer ceder a “pressões especulativas” dos mercados, não se pronunciou sobre a mudança de curso do câmbio.

A Argentina vai insistindo numa política econômica de derrocada, em tudo semelhante ao que fizeram governos sucessivos na década de 1980, durante a penosa crise da dívida de nossos países. A diferença é que lá nos anos 80 os dólares realmente escasseavam e os países da região muitas vezes não tinham divisas em seus cofres nem para fechar as transações externas. Desta feita, agora não. Os países do Mercosul tiveram a maior bonanza de dólares em um século. Desde 2003 os preços de commodities não pararam de subir. Foi uma década de bônus, que a Argentina desperdiçou completamente. Hoje os preços do agronegócio estão claramente na descendente, restando apenas à soja como cotação ainda resistente à queda. A produção dessa oleaginosa vinha segurando as contas na Argentina, dada a política de “retenciones” (35%) que taxa a exportação do produto. As reservas do país estão reduzidas a US$ 29 bilhões que, na prática, é recurso da mão para a boca. Daí a urgência de permitir a desvalorização oficial. Esta, no entanto, elevará preços internos e comerá o resto da popularidade de Cristina.

Ed.350

Comentários

comentários

Posts relacionados

Fazer parte do Cadastro Positivo passa a ser fundamental para o consumidor, afirma Boa Vista SCPC

Se por um lado a aprovação da Medida Provisória que tornará automática a adesão dos consumidores brasileiros ao banco de dados de bons pagadores, em virtude da alteração na Lei 12.414/2011 está, por tempo indeterminado, pendente em Brasília, por outro, passa a ser cada vez mais contundente a responsabilidade de o consumidor conhecer e entender…

Percentual de cheques devolvidos atinge 2,11% em maio, segundo Boa Vista SCPC

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 2,11% em maio, registrando uma diminuição em relação ao mesmo mês do ano anterior, quando alcançou 2,33%. Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados obteve leve aumento (em abril o nível foi de…

Movimento do Comércio sobe 2,7% em maio, diz Boa Vista SCPC

Informações do varejo apuradas pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito) apontam que o Movimento do Comércio subiu 2,7% em maio, considerando os dados mensais com ajuste sazonal. Na avaliação acumulada em 12 meses (junho de 2016 até maio de 2017 frente ao mesmo período do ano anterior) houve queda de 3,0%…