Brasil é reprovado em 41 de 57 itens considerados essenciais para atrair investimento

Por José Valter Martins de Almeida / Augusto Cattoni, da RC Consultores

A ata do Banco Central divulgada ontem aponta “o risco de que mecanismos de indexação e a piora na percepção dos agentes econômicos realimentem a inflação” como fatores que levaram o Comitê de Política Monetária (Copom) a intensificar o ritmo de elevação da taxa básica de juros na semana passada. Também ontem, a agência de classificação de risco Standard & Poor’s colocou em perspectiva negativa a nota do Brasil, após a ter elevado para BBB há pouco mais de um ano. A agência justificou a ameaça de rebaixamento pela deterioração da política fiscal do governo e pelo baixo crescimento.

Essas notícias mostram que o excesso de otimismo em relação ao desempenho do Brasil, fruto da equivocada euforia dos mercados financeiros, que inclusive pode ter levado a algumas agências de rating a ter se equivocado na correta avaliação do risco soberano, pode estar se frustrando. Não por acaso, O Globo noticiou ontem que o Brasil foi reprovado em 41 dos 57 itens avaliados em sete pilares econômicos analisados em um estudo realizado pela consultoria americana Boston Consulting Group. O levantamento analisa a capacidade brasileira de atrair empresas internacionais e se estabelecer como um importante ponto de fluxo de investimentos estrangeiros em relação a outros 13 países.

Ed.201

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…

Volume de serviços recua 1,0% em agosto e 4,5% no acumulado 12 meses

Segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE, o volume de serviços apresentou queda de 1,0% em agosto contra o mês anterior (dados dessazonalizados). A categoria de serviços prestados às famílias foi a única a apresentar queda (-4,8%), bastante atípica para o mês considerando o histórico da série. Os demais grupos apresentaram crescimento: Serviços…