Brasil perde mercado na América do Sul

Por José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

O fluxo de comércio da América do Sul tem se modificado nos últimos anos. A China foi responsável por 17,4% das importações dos países sul-americanos em 2013, exceto o Brasil. O avanço chinês aumentou 6 pontos percentuais em comparação a 2007. O crescimento chinês foi conquistado em grande parte à custa do Brasil. A participação do Brasil nas compras dos países vizinhos, que já foi 14,2% em 2010, ficou em 11,7% no ano passado. Nesse período perdemos participação em todos os países da América do Sul.

Depois da África, a China está voltando sua atenção para a América Latina, região capaz de suprir os bens necessários para seu crescimento e mercado para seus produtos. Estudo das Nações Unidas prevê que até 2016 a China deve ultrapassar a União Europeia para se tornar o segundo parceiro comercial da América Latina, atrás apenas dos Estados Unidos. O que ajuda a explicar essa perda de posição do Brasil para a China no comércio da América do Sul é a falta de competitividade brasileira, que permite que a China ganhe mercado de produtos brasileiros apesar do custo de transporte. Um exemplo é o caso dos aparelhos de telefonia celular, setor que os produtos brasileiros chegaram a dominar, mas foram engolidos pela concorrência chinesa. As pesquisas sempre evidenciam a perda de competitividade do Brasil, com infraestrutura defasada, governo ineficiente e tributação complexa e excessiva. O Brasil continuará sendo desafiado pelos emergentes asiáticos. Sem uma mudança na política fiscal e tributária, continuaremos perdendo espaço na economia mundial. E, por incrível que pareça, perdendo mercado até nos países vizinhos.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…

Volume de serviços recua 1,0% em agosto e 4,5% no acumulado 12 meses

Segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE, o volume de serviços apresentou queda de 1,0% em agosto contra o mês anterior (dados dessazonalizados). A categoria de serviços prestados às famílias foi a única a apresentar queda (-4,8%), bastante atípica para o mês considerando o histórico da série. Os demais grupos apresentaram crescimento: Serviços…