Câmbio segue pressionado e terá reflexo sério na inflação

Por Paulo Rabello de Castro, da RC Consultores

O cenário de euforia do consumidor brasileiro parece com os dias contados. A sensação positiva de ganhos em poder de compra no mercado doméstico durou enquanto o câmbio real/dólar favoreceu o assalariado brasileiro, cuja renda era reajustada enquanto os preços internos eram contidos por um real fortalecido. Hoje o mercado cambial chegou perto de R$2,17 antes da intervenção do Bacen. A autoridade seguirá atuando nos próximos dias. O Bacen corrigirá apenas o eventual descontrole, mas não atuará no sentido de derrubar o ajuste em curso. Fica a pergunta: qual seria o novo ponto de relativo equilíbrio na taxa de câmbio?

A desvalorização do real decorre do anúncio do FED, de que poderá reduzir o estímulo mensal pelas compras de títulos, hoje de US$85 bi mensais. Em decorrência, todas as moedas antes valorizadas de grandes exportadores de commodities, inclusive o Brasil, iniciaram o processo de ajuste, desvalorizando-se, em média, 5% nas últimas semanas. O Brasil, contudo, passou a liderar as desvalorizações nesta semana por receio, no mercado doméstico, de uma saída mais vultosa de capitais, num momento em que nossa balança comercial perde força. De fato, o ajuste em que o mercado mira é outro: a correção do custo salarial interno, em relação ao câmbio. A relação câmbio/salário, pelas contas da RC Consultores, estaria ainda desajustada em cerca de 10% com um câmbio de R$2,10, ou seja, a taxa cambial tem potencial de subir a R$2,31, o que não significa que isso ocorra logo. Esse movimento cambial, no entanto, pressiona mais a inflação, outra tremenda dor de cabeça para o governo em 2013.

Ed.203

Comentários

comentários

Posts relacionados

Fazer parte do Cadastro Positivo passa a ser fundamental para o consumidor, afirma Boa Vista SCPC

Se por um lado a aprovação da Medida Provisória que tornará automática a adesão dos consumidores brasileiros ao banco de dados de bons pagadores, em virtude da alteração na Lei 12.414/2011 está, por tempo indeterminado, pendente em Brasília, por outro, passa a ser cada vez mais contundente a responsabilidade de o consumidor conhecer e entender…

Percentual de cheques devolvidos atinge 2,11% em maio, segundo Boa Vista SCPC

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 2,11% em maio, registrando uma diminuição em relação ao mesmo mês do ano anterior, quando alcançou 2,33%. Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados obteve leve aumento (em abril o nível foi de…

Movimento do Comércio sobe 2,7% em maio, diz Boa Vista SCPC

Informações do varejo apuradas pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito) apontam que o Movimento do Comércio subiu 2,7% em maio, considerando os dados mensais com ajuste sazonal. Na avaliação acumulada em 12 meses (junho de 2016 até maio de 2017 frente ao mesmo período do ano anterior) houve queda de 3,0%…