Confiança do consumidor em alta indica melhores perspectivas para os EUA

Por Marcel Augusto Caparoz, da RC Consultores

A confiança do consumidor americano alcançou em maio o resultado mais alto desde fevereiro de 2008, passando de 69 em abril para 76,2 neste mês, de acordo com pesquisa divulgada pelo instituto Conference Board. Os consumidores se mostraram mais otimistas com relação ao futuro da economia americana. Além disso, o preço das casas nos EUA tiveram em março a maior alta desde 2006, com incremento de 10,9% em relação ao mesmo período do ano passado.

Nos últimos dois anos, o ressurgimento da competitividade da indústria norte americana tem sustentado a frágil recuperação econômica, em função principalmente da redução dos custos dos insumos industriais (com destaque para energia). No entanto, uma evolução mais firme do produto só se dará quando o setor de serviços e comércio (79% do PIB) apresentar maior dinamismo. Nesse sentido, a alta na confiança do consumidor sinaliza a possibilidade de um crescimento mais robusto da maior economia do mundo.

Ed.194

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…

Volume de serviços recua 1,0% em agosto e 4,5% no acumulado 12 meses

Segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE, o volume de serviços apresentou queda de 1,0% em agosto contra o mês anterior (dados dessazonalizados). A categoria de serviços prestados às famílias foi a única a apresentar queda (-4,8%), bastante atípica para o mês considerando o histórico da série. Os demais grupos apresentaram crescimento: Serviços…