Congelamento de tarifas impõe prejuízos e turva investimentos

Por Paulo Rabello de Castro, da RC Consultores

A decisão concatenada de vários governadores (PR e SP) de suspender ou suprimir os próximos reajustes de tarifas em concessões rodoviárias e de energia elétrica impõe uma nova realidade aos concessionários desses serviços. O mercado também passou a desconfiar da capacidade dos governos conseguirem absorver as diferenças entre os novos preços e os que ficam agora congelados. As ações das empresas concessionárias recuaram fortemente no pregão de 2ª feira, puxando o Indice Bovespa para um patamar de 45 mil pontos. O governo de São Paulo avisou que conseguiu acomodar o não reajuste do pedágio nas suas rodovias. Mas a medida deixou um rastro de insegurança quanto ao equilíbrio dos contratos em geral e à margem de retorno futura nessas e noutras concessões.

As ruas pedem, genericamente, moderação nos reajustes e transparência nas contas. Mas os governos, acuados, tentam agora ganhar tempo, adiando reajustes e congelando preços. De fato, há cláusulas de reajuste por IGP-M, por exemplo, e determinadas formas de cálculo dos pedágios e tarifas, que não resistiriam a uma avaliação técnica mais detalhada. Os prazos anuais para o reajuste são também um resquício inflacionário que retroalimenta a inflação brasileira, estendendo-se a quase tudo, inclusive salários. O governo federal já perdeu a chance de rever a indexação da economia quando Dilma conseguiu ser vitoriosa na redução de juros. A maré virou perigosamente contra a estabilidade econômica: as reivindicações atuais se somam às enormes pressões adversas da economia mundial. Esse cenário terá como principal vítima o investimento produtivo privado que dependa de aval, autorização ou créditos de governo. Nesse rol estão as futuras concessões de rodovias, ferrovias e aeroportos programadas para breve, assim como aberturas de capital pelo setor privado e, em especial, os esforços de reestruturação de negócios, como o do conglomerado de Eike Batista.

Ed.213

Comentários

comentários

Posts relacionados

Percentual de cheques devolvidos atinge 1,90% em julho

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos), como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 1,90% em julho, registrando considerável redução em relação ao mesmo mês do ano anterior (-0,31 p.p.). Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados obteve leve alta frente ao mês anterior (em junho o…

Número de novas empresas cai 3,8% no 2º trimestre

No 2º trimestre de 2017 o número de novas empresas caiu 3,8% em relação ao trimestre anterior, segundo levantamento da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), com abrangência nacional. Assim, o resultado configura a primeira queda para esse trimestre desde o início da série histórica (2003). Ainda assim, os valores acumulados no…

Vendas para o dia dos pais recuam 0,5% em 2017

As vendas do comércio para o dia dos pais diminuíram 0,5% em 2017 quando comparadas a 2016, segundo dados da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). O recuo das vendas nesta data foi mais fraco do que o observado em 2016, quando o comércio retraiu 5,2% em relação ao mesmo período de…