Congelamento de tarifas impõe prejuízos e turva investimentos

Por Paulo Rabello de Castro, da RC Consultores

A decisão concatenada de vários governadores (PR e SP) de suspender ou suprimir os próximos reajustes de tarifas em concessões rodoviárias e de energia elétrica impõe uma nova realidade aos concessionários desses serviços. O mercado também passou a desconfiar da capacidade dos governos conseguirem absorver as diferenças entre os novos preços e os que ficam agora congelados. As ações das empresas concessionárias recuaram fortemente no pregão de 2ª feira, puxando o Indice Bovespa para um patamar de 45 mil pontos. O governo de São Paulo avisou que conseguiu acomodar o não reajuste do pedágio nas suas rodovias. Mas a medida deixou um rastro de insegurança quanto ao equilíbrio dos contratos em geral e à margem de retorno futura nessas e noutras concessões.

As ruas pedem, genericamente, moderação nos reajustes e transparência nas contas. Mas os governos, acuados, tentam agora ganhar tempo, adiando reajustes e congelando preços. De fato, há cláusulas de reajuste por IGP-M, por exemplo, e determinadas formas de cálculo dos pedágios e tarifas, que não resistiriam a uma avaliação técnica mais detalhada. Os prazos anuais para o reajuste são também um resquício inflacionário que retroalimenta a inflação brasileira, estendendo-se a quase tudo, inclusive salários. O governo federal já perdeu a chance de rever a indexação da economia quando Dilma conseguiu ser vitoriosa na redução de juros. A maré virou perigosamente contra a estabilidade econômica: as reivindicações atuais se somam às enormes pressões adversas da economia mundial. Esse cenário terá como principal vítima o investimento produtivo privado que dependa de aval, autorização ou créditos de governo. Nesse rol estão as futuras concessões de rodovias, ferrovias e aeroportos programadas para breve, assim como aberturas de capital pelo setor privado e, em especial, os esforços de reestruturação de negócios, como o do conglomerado de Eike Batista.

Ed.213

Comentários

comentários

Posts relacionados

Inadimplência das empresas inicia 2017 com queda de 0,3%, diz a Boa Vista SCPC

A inadimplência das empresas em todo o país caiu 0,3% no 1º trimestre de 2017 quando comparada ao mesmo trimestre do ano anterior, de acordo com dados da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Depois de três anos consecutivos de alta do indicador na comparação interanual (1º tri de 2017 contra o…

Boa Vista SCPC: inadimplência do consumidor paulistano caiu 4,3% no 1º trimestre

A inadimplência do consumidor na cidade de São Paulo teve queda de 4,3% no acumulado do ano (1º trimestre de 2017 contra o mesmo período do ano passado), de acordo com os dados da Boa Vista SCPC. Na comparação interanual (março-17 contra março-16), a inadimplência retraiu 8,4%. Contra o mês anterior (março-17 contra fevereiro-17) houve…

Demanda por Crédito do Consumidor cai 4,0% no 1º trimestre, segundo Boa Vista SCPC

Dados nacionais da Boa Vista SCPC apontam que a Demanda por Crédito do Consumidor caiu 4,0% no 1º trimestre de 2017 na comparação com o mesmo período do ano anterior. Já na avaliação dos valores acumulados em 12 meses (abril de 2016 até março de 2017 frente aos 12 meses antecedentes) houve retração de 9,3%,…