Crédito para Autos e Imóveis perde fôlego

Por Thiago Custódio Biscuola, da RC Consultores

As operações de crédito no sistema financeiro confirmam a tendência de acomodação observada nos últimos meses, segundo dados divulgados ontem pelo BACEN. Embora o resultado de setembro de 2013 tenha sido prejudicado, em parte, pela greve dos bancários, o estoque de crédito registrou alta de 0,8% em setembro de 2013 frente a agosto. As concessões por dia útil tiveram aumento de 4,3% na comparação anual, o pior resultado desde outubro de 2012. Por outro lado, o aumento da taxa básica de juros já começa a se refletir nos juros das operações de crédito. Em relação a agosto, houve elevação de 19,3 para 19,5% da taxa média de juros cobrada pelo sistema. Já o prazo médio declinou de 98 para 96,7 meses. Mais importante, a inadimplência subiu pela primeira vez desde outubro de 2012, alcançando 3,3%.

Se, por um lado, o crédito como um todo ainda caminha a passos rápidos, por outro o cenário atual vem ressaltando crescentes contingências à expansão dos empréstimos. Os bancos privados têm restringido as novas concessões enquanto os públicos começam a apresentar resistência a continuar ampliando suas carteiras. Um exemplo claro são os financiamentos para aquisição de veículos que viram sua velocidade de crescimento cair de 50% ao ano, em meados de 2011, para os atuais 1,8%. Até os financiamentos imobiliários, carro chefe nos últimos anos, também apresenta perda de fôlego. A fraca demanda por crédito tem dificultado o repasse do aumento dos juros. O crescente endividamento das famílias é a maior contingência à expansão do crédito. Em agosto de 2013 as dívidas alcançaram 45,4% da renda familiar anual, o que já começa a refletir no aumento da inadimplência. O crédito continuará a se expandir num ritmo cada vez menor. O varejo e as vendas de automóveis refletem está tendência. Enquanto o volume de vendas do varejo crescerá menos que 4% este ano (pior resultado desde 2003), as vendas totais de automóveis (domésticos e importados) ficarão apenas estáveis em relação a 2012.

Ed.303

Comentários

comentários

Posts relacionados

CAGED: Setembro registra sexto saldo positivo consecutivo

Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) do Ministério do Trabalho, em setembro o saldo de vagas no mercado de trabalho (diferença entre novas contratações e demissões) foi positivo em 34,4 mil postos. Deste modo, a leitura atual contrasta quando comparado ao mesmo período do ano anterior, quando foram encerradas 39,3…

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…