Crescimento dos emergentes é desigual

Por José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

O Banco Goldman Sachs prevê que o crescimento do PIB global entre 2011 e 2020 seja de 4,1%. Nas três décadas anteriores este crescimento foi de 3,5%. O mais significativo é a origem deste crescimento. Ele se deve aos mercados emergentes. Os BRICs criaram em 2011 uma Itália em termos de produção econômica. O crescimento da China, em torno de 8%, equivale a um crescimento de 4% para os Estados Unidos. A China produz uma Grécia a cada 12 semanas e meia. Nos três anos de 2010 a 2012, a China criou uma índia.

O que chama a atenção é o crescimento desigual dos BRICs, em particular o fraco crescimento do Brasil. Enquanto no Brasil as reformas, sobretudo a fiscal, são postergadas, o México embarcou num programa de reformas que deve garantir ao país um crescimento perto do topo dos países da OCDE. A agenda inclui a expansão da base tributária para reduzir a dependência na receita do petróleo e alteração constitucional para permitir que a estatal Petromex entre em joint ventures com empresas estrangeiras, o que poderia permitir a economia do México se beneficiar da mesma revolução do xisto e do gás que está gerando um enorme impulso nos Estados Unidos. O Brasil deve ficar atento ao que se passa com alguns de seus vizinhos.

Ed.146

Comentários

comentários

Posts relacionados

CAGED: Setembro registra sexto saldo positivo consecutivo

Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) do Ministério do Trabalho, em setembro o saldo de vagas no mercado de trabalho (diferença entre novas contratações e demissões) foi positivo em 34,4 mil postos. Deste modo, a leitura atual contrasta quando comparado ao mesmo período do ano anterior, quando foram encerradas 39,3…

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…