Crise no setor elétrico é preocupante

Por José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

Os problemas do setor elétrico continuam a se avolumar. Embora a probabilidade de racionamento este ano tenha diminuído, a crise financeira ganha contornos preocupantes. Hoje o caixa das companhias do setor ficaria seriamente comprometido se não houvesse medidas paliativas do governo. O problema começou com as distribuidoras, mas já ameaça as geradoras, comercializadoras e grandes consumidores.

Numa situação normal de chuvas, dentro da média histórica, o preço da energia livre deveria estar próximo a R$ 100 o megawatt hora (MWh). Em 2012 estava em R$ 12. Mas como a hidrologia não conseguiu recuperar o nível dos reservatórios, o preço do mercado à vista alcançou o valor máximo de R$ 822/MWh. A conta das distribuidoras atingiu valores bilionários e obrigou o governo a fazer “pacotes” para evitar quebradeiras do setor. Segundo dados da consultoria PSR, divulgados pelo Estadão, a soma dos valores de 2013 e 2014 da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica, responsável pela liquidação financeira das operações de compra e venda de energia, somam R$ 56 bilhões. A necessidade de captação de recursos para socorrer as distribuidoras é de R$ 6,5 bilhões. Parte dos recursos será financiado pelo BNDES. O setor não é autossuficiente porque os contratos estão indexados a um preço não realista, que não reflete o mercado de compra e venda. Há dúvidas até onde o governo vai conseguir segurar a situação do setor elétrico.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Fazer parte do Cadastro Positivo passa a ser fundamental para o consumidor, afirma Boa Vista SCPC

Se por um lado a aprovação da Medida Provisória que tornará automática a adesão dos consumidores brasileiros ao banco de dados de bons pagadores, em virtude da alteração na Lei 12.414/2011 está, por tempo indeterminado, pendente em Brasília, por outro, passa a ser cada vez mais contundente a responsabilidade de o consumidor conhecer e entender…

Percentual de cheques devolvidos atinge 2,11% em maio, segundo Boa Vista SCPC

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 2,11% em maio, registrando uma diminuição em relação ao mesmo mês do ano anterior, quando alcançou 2,33%. Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados obteve leve aumento (em abril o nível foi de…

Movimento do Comércio sobe 2,7% em maio, diz Boa Vista SCPC

Informações do varejo apuradas pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito) apontam que o Movimento do Comércio subiu 2,7% em maio, considerando os dados mensais com ajuste sazonal. Na avaliação acumulada em 12 meses (junho de 2016 até maio de 2017 frente ao mesmo período do ano anterior) houve queda de 3,0%…