Desconfiança aumenta

Iniciamos o quinto mês do ano bem mais desconfiados do que no primeiro. É o que mostra o conjunto de expectativas dos analistas de mercado divulgado hoje no relatório Focus do Banco Central.

Não que tenhamos iniciado o ano otimistas, muito pelo contrário, mas de lá para cá as projeções para todas as principais variáveis da economia apresentaram uma piora constante e significativa.

Esperávamos inflação acima do teto da meta em janeiro (6,56%), mas as perspectivas semanais pioraram ininterruptamente e já contamos com um preocupante aumento de preços de 8,26% em 2015. A escalada dos preços elevou as estimativas da taxa Selic de 12,50% em janeiro para 13,50% hoje.

O baixo crescimento esperado da economia de 0,48% no início do ano era um refresco quando comparado às atuais expectativas de recuo de 1,18%, explicado em boa parte pelo titubeante ajuste fiscal. A combalida indústria ainda suspirava em janeiro com a possibilidade de crescimento de 1,02%, mas mesmo com a forte desvalorização cambial, mais um ano de retração é esperado. Após recuar 3,2% em 2014, estima-se retração de 2,5% em 2015.

Com a necessidade do ajuste fiscal, as previsões para o superávit primário em relação ao PIB começaram o ano em 1,0%. Com as declarações e convicções do ministro da Fazenda os analistas aumentaram as apostas para 1,15% no final de janeiro, mas os desentendimentos políticos esfriaram as expectativas e o número está estacionado em 0,90% desde o final de março.

Que o atual cenário é desafiador, não é novidade. Os resultados ruins dos primeiros meses só têm contribuído para piorar ainda mais as expectativas. Resta-nos saber se os ajustes propostos e a atuação mais austera do Banco Central serão suficientes para a retomada da confiança dos agentes econômicos.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 0,5% em julho

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 0,5% em julho quando comparado a junho na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Na avaliação acumulada em 12 meses (agosto de 2016…

Percentual de cheques devolvidos atinge 1,90% em julho

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos), como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 1,90% em julho, registrando considerável redução em relação ao mesmo mês do ano anterior (-0,31 p.p.). Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados obteve leve alta frente ao mês anterior (em junho o…

PNAD: Rendimentos apresentam leve melhora no 2T17

De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad), os rendimentos reais dos trabalhadores apresentaram melhora em todas as regiões quando avaliadas os valores acumulados em 4 trimestres. A Região Nordeste registrou a primeira marcação positiva (1,6%), ao lado da região Sudeste (0,1%) e Centro Oeste (0,8%). Em relação ao mesmo período…