Desconfiança aumenta

Iniciamos o quinto mês do ano bem mais desconfiados do que no primeiro. É o que mostra o conjunto de expectativas dos analistas de mercado divulgado hoje no relatório Focus do Banco Central.

Não que tenhamos iniciado o ano otimistas, muito pelo contrário, mas de lá para cá as projeções para todas as principais variáveis da economia apresentaram uma piora constante e significativa.

Esperávamos inflação acima do teto da meta em janeiro (6,56%), mas as perspectivas semanais pioraram ininterruptamente e já contamos com um preocupante aumento de preços de 8,26% em 2015. A escalada dos preços elevou as estimativas da taxa Selic de 12,50% em janeiro para 13,50% hoje.

O baixo crescimento esperado da economia de 0,48% no início do ano era um refresco quando comparado às atuais expectativas de recuo de 1,18%, explicado em boa parte pelo titubeante ajuste fiscal. A combalida indústria ainda suspirava em janeiro com a possibilidade de crescimento de 1,02%, mas mesmo com a forte desvalorização cambial, mais um ano de retração é esperado. Após recuar 3,2% em 2014, estima-se retração de 2,5% em 2015.

Com a necessidade do ajuste fiscal, as previsões para o superávit primário em relação ao PIB começaram o ano em 1,0%. Com as declarações e convicções do ministro da Fazenda os analistas aumentaram as apostas para 1,15% no final de janeiro, mas os desentendimentos políticos esfriaram as expectativas e o número está estacionado em 0,90% desde o final de março.

Que o atual cenário é desafiador, não é novidade. Os resultados ruins dos primeiros meses só têm contribuído para piorar ainda mais as expectativas. Resta-nos saber se os ajustes propostos e a atuação mais austera do Banco Central serão suficientes para a retomada da confiança dos agentes econômicos.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…

Volume de serviços recua 1,0% em agosto e 4,5% no acumulado 12 meses

Segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE, o volume de serviços apresentou queda de 1,0% em agosto contra o mês anterior (dados dessazonalizados). A categoria de serviços prestados às famílias foi a única a apresentar queda (-4,8%), bastante atípica para o mês considerando o histórico da série. Os demais grupos apresentaram crescimento: Serviços…