Desemprego nas seis capitais é de apenas 4,9%, mas gasto com seguro-desemprego cresce

Por Paulo Rabello de Castro, da RC Consultores

Um número que será bastante explorado no debate dos candidatos, hoje à noite, é a mais baixa taxa de desemprego (4,9%) alcançada num mês de setembro, desde 2002, início da pesquisa mensal nas seis principais capitais. Para o governo, isso denota um mercado de trabalho ainda forte. De fato, no vasto setor de serviços, cada vez maior no Brasil, o aumento do emprego foi de 3,3% sobre setembro de 2013. Contudo, nos segmentos mais sensíveis – a indústria (com queda de 6,4%) e construção civil (menos 4,4%) – o recuo de postos de trabalho é expressivo. A explicação é relativamente simples: o número oficial dos desempregados nas capitais é baixo, sim, pois decorre de diminuição do denominador da fração, ou seja, a PEA (população buscando emprego, segundo o IBGE) que recuou 1% em 12 meses até setembro, havendo caído em cerca de 200 mil pessoas, num universo, agora, de 24,3 milhões.

Não chega a ser estranho que a PEA recue em vez de aumentar. A massa trabalhadora deveria estar em expansão forte, por causa da quantidade crescente de jovens adultos em idade de trabalhar. Contudo, contam-se aos milhões os jovens “nem-nem”, que não estudam nem buscam trabalho (estando, portanto, fora da PEA). Além disso, outros milhões de “não-ocupados” são excluídos da estatística de gente buscando um emprego por causa dos variados mecanismos assistenciais, como bolsa-família, pensões a viúvas jovens, inabilitados duvidosos, bolsistas, e mesmo o seguro-desemprego. Este último, segundo dados divulgados pela Fazenda, gerará desembolso de R$ 31,9 bilhões em 2014. Quando somado ao Abono Salarial (R$ 14,6 bilhões), pressionará o Tesouro em R$ 52 bi em 2014. O País gasta, portanto, “duas Copas do Mundo” por ano para minorar o custo social do desemprego numa economia teoricamente em “pleno emprego”. Não faltará o que se debater entre indecisos e candidatos.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…

Volume de serviços recua 1,0% em agosto e 4,5% no acumulado 12 meses

Segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE, o volume de serviços apresentou queda de 1,0% em agosto contra o mês anterior (dados dessazonalizados). A categoria de serviços prestados às famílias foi a única a apresentar queda (-4,8%), bastante atípica para o mês considerando o histórico da série. Os demais grupos apresentaram crescimento: Serviços…