Desequilíbrio fiscal motiva Governo a transformar 10% do FGTS em tributo explícito

Por José Valter Martins de Almeida / Marcel Caparoz, da RC Consultores

A desaceleração da arrecadação tributária federal, em função do menor dinamismo econômico e do grande número de subsídios oferecidos ao mercado ao longo dos últimos anos, em conjunto com a política fiscal expansionista adotada pelo governo, tem comprometido a geração de caixa da União, e consequentemente do superávit primário, cuja meta de 2,3% do PIB para este ano já é interpretada como difícil de ser cumprida pelo governo. No acumulado em 12 meses, com dados de julho divulgados pelo BC, o superávit é de apenas 1,9% do PIB. O crescimento da arrecadação corrente da receita federal acumulada até julho de 2014 foi de 7,0%, enquanto as despesas correntes da União cresceram 12,8% no mesmo período, com destaque para a conta de Custeio e Capital, que registrou alta de 16% nos primeiros sete meses do ano.

Esses dados explicam o porquê do grande interesse do governo sobre os recursos da multa de 10% do FGTS. Ao insistir na manutenção da cobrança de 10% adicionais aos 40% da multa por rescisão do empregado, criado como provisório para compensar os trabalhadores das perdas dos planos Collor e Verão, o governo transformou o FGTS em tributo explícito. Embora os argumentos para a manutenção desse “tributo” sejam os programas habitacionais, como por exemplo o Minha Casa, Minha Vida, esses recursos não estão chegando ao seu local de destino. Desde Abril de 2012, já foram retidos pelo Tesouro Nacional R$ 4,46 bilhões referentes à multa de 10%. Além disso, o Tesouro deixou de repassar ao FGTS R$ 4,1 bilhões, relativos à parcela dos subsídios a famílias carentes no programa de habitação, acumulando, portanto, um saldo devedor no valor de R$ 9,1 bilhões com o FGTS. Sem esses recursos o superávit para esse ano estaria ainda mais comprometido.

Ed.272

Comentários

comentários

Posts relacionados

Número de novas empresas aumentou 6,6% no 1º trimestre de 2017, segundo Boa Vista SCPC

No 1º trimestre de 2017 o número de novas empresas cresceu 6,6% em relação ao mesmo período de 2016 (análise interanual), segundo levantamento da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), com abrangência nacional. Em relação ao 4º trimestre de 2016 houve aumento de 29,2%. Forma jurídica Na análise por classificação de forma…

Inadimplência das empresas inicia 2017 com queda de 0,3%, diz a Boa Vista SCPC

A inadimplência das empresas em todo o país caiu 0,3% no 1º trimestre de 2017 quando comparada ao mesmo trimestre do ano anterior, de acordo com dados da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Depois de três anos consecutivos de alta do indicador na comparação interanual (1º tri de 2017 contra o…

Boa Vista SCPC: inadimplência do consumidor paulistano caiu 4,3% no 1º trimestre

A inadimplência do consumidor na cidade de São Paulo teve queda de 4,3% no acumulado do ano (1º trimestre de 2017 contra o mesmo período do ano passado), de acordo com os dados da Boa Vista SCPC. Na comparação interanual (março-17 contra março-16), a inadimplência retraiu 8,4%. Contra o mês anterior (março-17 contra fevereiro-17) houve…