Deterioração das contas externas influenciará o câmbio no médio prazo

Por Marcel Caparoz, da RC Consultores

O Banco Central divulgou ontem os números do setor externo brasileiro para o mês de agosto, destacando o contínuo processo de deterioração do saldo das transações correntes, cujo déficit atingiu US$ 80,6 bilhões no acumulado em 12 meses encerrados em agosto, proporcional a 3,6% do PIB, acima do valor de 3,5% que o próprio Tombini julga como sendo “manejável”. A Balança Comercial, embora tenha registrado superávit de US$ 1,13 bilhão no mês, acumula no ano déficit de US$ 3,85 bilhões, com expectativa de fechar o ano com saldo positivo de apenas US$ 2 bilhões, o pior resultado desde 2000, quando houve déficit de US$ 0,7 bilhão. Os investimentos estrangeiros diretos (IED) tiveram saldo positivo (US$ 3,8 bilhões em agosto), acumulando em 12 meses saldo de US$ 61,1 bilhões, valor 7% inferior ao registrado no mesmo período de 2012.

Este patamar de déficit nas transações correntes já é semelhante aos observados na década de 90, período de grande instabilidade econômica e de constantes crises cambiais no país. Obviamente que a situação atual da nossa economia é muito melhor que a registrada no passado, visto que hoje gozamos de relativa confiança internacional e podemos contar com a entrada de recursos externos para cobrir o rombo nas contas. No entanto, tal conjuntura de deterioração das contas externas, fruto, dentre outros motivos, da necessidade de poupança externa do país, irá impactar o processo de determinação do câmbio no médio prazo, contribuindo para uma desvalorização futura do real. No curto prazo, a cotação do real continuará sendo determinada pelo nível de liquidez, com o mercado e o BC “duelando” diariamente nos pregões.

Ed.278

Comentários

comentários

Posts relacionados

Fazer parte do Cadastro Positivo passa a ser fundamental para o consumidor, afirma Boa Vista SCPC

Se por um lado a aprovação da Medida Provisória que tornará automática a adesão dos consumidores brasileiros ao banco de dados de bons pagadores, em virtude da alteração na Lei 12.414/2011 está, por tempo indeterminado, pendente em Brasília, por outro, passa a ser cada vez mais contundente a responsabilidade de o consumidor conhecer e entender…

Percentual de cheques devolvidos atinge 2,11% em maio, segundo Boa Vista SCPC

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 2,11% em maio, registrando uma diminuição em relação ao mesmo mês do ano anterior, quando alcançou 2,33%. Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados obteve leve aumento (em abril o nível foi de…

Movimento do Comércio sobe 2,7% em maio, diz Boa Vista SCPC

Informações do varejo apuradas pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito) apontam que o Movimento do Comércio subiu 2,7% em maio, considerando os dados mensais com ajuste sazonal. Na avaliação acumulada em 12 meses (junho de 2016 até maio de 2017 frente ao mesmo período do ano anterior) houve queda de 3,0%…