E o mundo não acabou…Feliz 2013!

 

Por José Valter Martins de Almeida e Paulo Rabello de Castro, da RC Consultores

Embora alguns tenham pensado que o mundo tinha data certa para acabar, 21/12/2012, ele não terminou. Não para todos, pelo menos. Também alguns achavam, desde a crise da grande bolha de Wall Street, com o colapso de 2008, que o mundo financeiro capitalista tinha chegado ao fim. Também não acabou. Mais uma vez, não para a maioria.  Desde então, e 2012 não foi diferente, experiências inéditas na economia têm sido feitas, com resultados não muito animadores. Países na zona do Euro com dificuldade de fechar as contas… Endividamento galopante do governo americano… Estagnação salarial e queda do emprego revelam o fracasso da atual política econômica ocidental, como hoje adotada dos dois lados do Atlântico.

 

E o que esperar de 2013? De certeza, só que o mundo não vai acabar.  O cenário mais provável é mais um período fraco para a Europa e EUA. A América Latina aproveitou o bom momento dos preços das commodities, que pode, ao longo do próximo ano, não se repetir, sobretudo nas commodities pesadas, como minério de ferro e petróleo. Os produtos do agro devem sofrer recuo moderado de preços. É possível que a China reequilibre sua economia com crescimento ao redor de 8%. Bom pagar pouco nessa aposta. O Brasil deve crescer algo em torno de 3,5%, mas surpresa, se houver, não será na direção norte. A restrição na oferta de mão de obra especializada deve manter pressões salariais. O nível de crédito aumentará, mas em linha com temor crescente da inadimplência do mutuário. O aumento da competitividade, através da redução e simplificação de impostos e aumento dos investimentos, continua sendo o desafio maior para o próximo ano. Dilma prometeu anteontem fazer da redução dos impostos “uma de minhas lutas em 2013”, disse ela, convicta, como está, da bandeira em prol do BRASIL MAIS EFICIENTE. Tomara! A todos nós, pagadores de impostos, um 2013 mais leve!

 

Boas Festas! Voltamos em 02 de janeiro.

 


Ed.95

 

Comentários

comentários

Posts relacionados

Demanda por Crédito do Consumidor cai 4,0% no 1º trimestre, segundo Boa Vista SCPC

Dados nacionais da Boa Vista SCPC apontam que a Demanda por Crédito do Consumidor caiu 4,0% no 1º trimestre de 2017 na comparação com o mesmo período do ano anterior. Já na avaliação dos valores acumulados em 12 meses (abril de 2016 até março de 2017 frente aos 12 meses antecedentes) houve retração de 9,3%,…

Percentual de cheques devolvidos atinge 2,29% em março, segundo Boa Vista SCPC

No mesmo mês do ano anterior, o percentual foi de 2,59% 20 de abril 2017 – O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 2,29% em março, registrando diminuição em relação ao mesmo mês do ano anterior, quando alcançou 2,59%. O que representa menos cheques…

Vendas para a Páscoa cresceram 2,2% em 2017, segundo Boa Vista SCPC

Dados da Boa Vista SCPC mostraram que em 2017 as vendas do comércio para a Páscoa cresceram 2,2% quando comparadas ao mesmo período do ano anterior. Em 2016 as vendas apresentaram queda de 5,8% e em 2015 a retração foi menos intensa (-0,3%). O resultado deste ano é o segundo negativo da série histórica, que…