Enfim, COPA

Por Thiago Custódio Biscuola, da RC Consultores

Após longos anos de espera, finalmente o Brasil volta a sediar a Copa do Mundo de Futebol. Recursos não faltaram ao longo dos sete anos de preparação do evento. Estima-se que R$ 26 bilhões foram gastos por governos e empresas nas cidades-sede, acima dos R$ 23,5 bilhões apontados pela Matriz de Responsabilidade da Copa em 2010. Destes, segundo relatório do Tribunal de Contas da União, R$ 21,4 bilhões saíram dos cofres públicos. Esta também previa 93 projetos de infraestrutura, mas apenas pouco mais de 80 serão entregues, ainda assim, muitos com atraso ou incompletos.

Orçamentos e prazos estouraram quase sem exceção. No entanto, um legado positivo será deixado para a população residente nas cidades-sede. Doze aeroportos foram, de algum modo, modernizados, a rede hoteleira se expandiu, algumas obras importantes de mobilidade urbana foram entregues e os torcedores terão, finalmente, arenas seguras e bem equipadas para desfrutarem as partidas de seus clubes e demais espetáculos. Por outro lado, a principal oportunidade perdida pelo Brasil foi a de gerir tamanho esforço e mobilização de recursos com eficiência. O que se viu foi mais do mesmo. Falta de planejamento, gerenciamento precário e desperdícios volumosos foram presenças marcantes nas obras. Esse é a outra copa que precisamos ganhar. Até lá vamos torcer pelo time do Brasil.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…

Volume de serviços recua 1,0% em agosto e 4,5% no acumulado 12 meses

Segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE, o volume de serviços apresentou queda de 1,0% em agosto contra o mês anterior (dados dessazonalizados). A categoria de serviços prestados às famílias foi a única a apresentar queda (-4,8%), bastante atípica para o mês considerando o histórico da série. Os demais grupos apresentaram crescimento: Serviços…