Fluxo e estoque da inadimplência

Um fato que vem se consolidando em 2015 é o aumento do fluxo de apontamentos de inadimplência. A divulgação de hoje do indicador de cheques devolvidos da Boa Vista SCPC referente a maio reafirma aquilo que os indicadores de protestos de títulos e registros de inadimplentes já haviam apontado.

No acumulado de janeiro a maio, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados atingiu 2,18% ante 2,07% registrado no mesmo período do ano anterior. Nessa mesma base de comparação, o percentual deste mês é o maior desde 2009, quando registrou 2,31%. Da mesma forma, o indicador de registro de inadimplência do consumidor aponta alta de 1,6% em 12 meses. O protesto de títulos de pessoa física, com bem menos representatividade quando comparado ao total dos apontamentos, já sobe expressivos 22,7% no período. Já o pagamento das dívidas está recuando 3,3% na mesma base de comparação.

É de se esperar que esse movimento de crescimento dos fluxos tenha efeitos futuros sobre os estoques, dado que o crescimento do crédito livre ao consumidor está recuando em termos reais. O principal indicador que mede o estoque ou taxa da inadimplência do consumidor é calculado pelo Banco Central, com base nas dívidas com atraso de mais de 90 dias sobre o total do estoque de crédito livre. O comportamento do indicador nos primeiros meses do ano tem sido curioso. A taxa de inadimplência fechou 2014 em 5,31% e a última medição, referente a abril de 2015, registrou uma taxa de 5,28%.

Ainda não estamos enxergando os efeitos do crescimento dos fluxos. Mas com a expectativa de que esse crescimento seja ainda maior no decorrer do ano, somada ao recuo dos pagamentos e crescimento real negativo do crédito, os efeitos sobre os estoques em algum momento aparecerão. Na próxima semana teremos os dados de maio do Banco Central. É esperar para ver.

Comentários

comentários