FMI chega atrasado na revisão do PIB Potencial

Por Marcel Caparoz, da RC Consultores

O Fundo Monetário Internacional (FMI) anunciou ontem a revisão para baixo do PIB potencial brasileiro, de 4,25% para 3,5%, reforçando que tal número só poderá ser alcançado no caso de um avanço dos investimentos e da produtividade da economia. A realidade é que este número deve ser ainda menor que os 3,5% calculados pelo fundo. Prova disso é o recente desempenho econômico entregue pelo Governo Dilma, com o PIB devendo crescer apenas 2,4% em 2013, após um pífio incremento de 0,9% em 2012.

Mais acertada foi a avaliação defendida pela OCDE em seu mais recente estudo divulgado na última terça-feira. A organização sugere que o governo federal deveria buscar uma maior clareza orçamentária, evitando, por exemplo, repasses do tesouro para bancos estatais (como no caso do BNDES) e o excesso de estímulos públicos na economia, a fim de viabilizar um aumento do superávit primário. Aliás, superávit este que tem sido gerado basicamente com os esforços da iniciativa privada, que é sobrecarregada com uma enorme carga de impostos, minando o seu potencial de investimento. A geração do superávit primário não deveria ser pautada pelo aumento das receitas, mas sim pelo controle do crescimento desenfreado dos gastos públicos, que em 2013 deverá ser da ordem de 6% em termos reais, muito acima do provável PIB de 2,4%. Esta transferência injustificável de recursos do setor mais eficiente e propenso ao investimento para o Governo só poderia resultar num PIB potencial menor no médio prazo.

Ed.299

Comentários

comentários

Posts relacionados

CAGED: Setembro registra sexto saldo positivo consecutivo

Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) do Ministério do Trabalho, em setembro o saldo de vagas no mercado de trabalho (diferença entre novas contratações e demissões) foi positivo em 34,4 mil postos. Deste modo, a leitura atual contrasta quando comparado ao mesmo período do ano anterior, quando foram encerradas 39,3…

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…