Governo amplia para 40 setores a desoneração fiscal sobre a contribuição previdenciária

Por José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

O governo anunciou ontem que mais 25 setores podem deixar de pagar 20% de contribuição previdenciária sobre a folha de salários, passando a recolher, em troca, entre 1% e 2% sobre o faturamento. Considerando as medidas tomadas ontem mais os 15 setores que já estão no sistema de desoneração da folha, o governo fará uma renúncia fiscal de R$ 14,2 bilhões no próximo ano, próximo ao valor previsto para desonerações, de R$ 15,2 bilhões, na proposta orçamentária de 2013.

A desoneração da folha é uma medida positiva, que tem largo alcance para a indústria mesmo em setores menos intensivos em mão de obra. No entanto, somente uma ação mais profunda na política fiscal, com uma reforma tributária que contemple redução e simplificação dos impostos, com um programa de incentivo ao investimento, que passa pela intensificação das obras de infraestrutura, poderia, de fato, promover a competitividade da indústria brasileira.

Ed.29

Comentários

comentários

Posts relacionados

CAGED: Setembro registra sexto saldo positivo consecutivo

Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) do Ministério do Trabalho, em setembro o saldo de vagas no mercado de trabalho (diferença entre novas contratações e demissões) foi positivo em 34,4 mil postos. Deste modo, a leitura atual contrasta quando comparado ao mesmo período do ano anterior, quando foram encerradas 39,3…

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…