Governo percebe inutilidade do corte fiscal em 2013

Por Paulo Rabello de Castro, da RC Consultores

Em sucessivas reuniões entre o Planalto e a Fazenda, tem ficado patente que o engessamento das despesas correntes no Orçamento da União impede que o Governo Dilma possa cumprir a meta fiscal de 2,3% do PIB este ano, como estabelecido originalmente. Por engessamento se entende a dificuldade legal de coibir aumentos de verbas previstas e aprovadas pelo Congresso. Em razão disso, qualquer tentativa de anunciar cortes orçamentários para valer afetaria despesas de investimentos. O Planalto reage contra a ideia de passar uma expectativa de redução ainda maior do ritmo da economia.

Por paradoxal que possa parecer, o Governo está correto sobre a inutilidade do anúncio de um corte seletivo sobre certas rubricas neste momento. A economia está em franca desaceleração e a inflação, embora incomodamente acima do topo da meta, não ameaça explodir. Com juros em alta, o BC já impôs freio ao consumo privado. Portanto, as cartas do governo já foram lançadas no sentido de reprimir a inflação por meio da usual repressão aos gastos do setor privado. Embora esteja claro para a sociedade que este não é o melhor caminho, ficou para o próximo governo mudar a política econômica de modo a equilibrar sacrifícios entre a sociedade e o setor público. Até lá, o governo continuará gastando mais do que arrecada e, também, mais do que o PIB nominal consegue crescer para pagar a conta.

Ed.228

Comentários

comentários

Posts relacionados

Fazer parte do Cadastro Positivo passa a ser fundamental para o consumidor, afirma Boa Vista SCPC

Se por um lado a aprovação da Medida Provisória que tornará automática a adesão dos consumidores brasileiros ao banco de dados de bons pagadores, em virtude da alteração na Lei 12.414/2011 está, por tempo indeterminado, pendente em Brasília, por outro, passa a ser cada vez mais contundente a responsabilidade de o consumidor conhecer e entender…

Percentual de cheques devolvidos atinge 2,11% em maio, segundo Boa Vista SCPC

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 2,11% em maio, registrando uma diminuição em relação ao mesmo mês do ano anterior, quando alcançou 2,33%. Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados obteve leve aumento (em abril o nível foi de…

Movimento do Comércio sobe 2,7% em maio, diz Boa Vista SCPC

Informações do varejo apuradas pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito) apontam que o Movimento do Comércio subiu 2,7% em maio, considerando os dados mensais com ajuste sazonal. Na avaliação acumulada em 12 meses (junho de 2016 até maio de 2017 frente ao mesmo período do ano anterior) houve queda de 3,0%…