Governo requenta o PAC com anúncio de concessões bilionárias

Paulo Rabello de Castro, da RC Consultores

O pacote anunciado por Dilma Rousseff ontem prevê obras de infraestrutura em rodovias e ferrovias no valor de R$ 133 bilhões, mediante concessões a “risco zero” na fase operacional dos investimentos, assim reproduzindo o modelo emergencial de geração elétrica instalado no País após o apagão de 2001 durante o segundo mandato de FHC. O atual governo repete o feito para a área de transportes anunciando que garantirá a demanda mínima de modo a rentabilizar os projetos para que saiam logo do papel. A ideia, em si, é boa quando se tem pressa – caso do Brasil – mas é uma porta escancarada para multiplicação de compromissos financeiros encobertos nos orçamentos públicos de anos futuros.

A razão principal do desequilíbrio das contas públicas em países como Espanha e Portugal reside justamente no modelo aparentemente selecionado agora pelo Brasil para tocar a todo vapor as obras que ficaram adiadas por mais de duas décadas. Uma empresa pública “coordenadora” dos projetos está sendo criada. O anúncio tem grande importância estratégica, mas muito pouca repercussão sobre a desaceleração forte da economia neste segundo semestre. Em termos de demanda por máquinas e equipamentos, tudo dependerá de uma competência de gestão ainda não confirmada pela atual administração.

Ed.09

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…

Volume de serviços recua 1,0% em agosto e 4,5% no acumulado 12 meses

Segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE, o volume de serviços apresentou queda de 1,0% em agosto contra o mês anterior (dados dessazonalizados). A categoria de serviços prestados às famílias foi a única a apresentar queda (-4,8%), bastante atípica para o mês considerando o histórico da série. Os demais grupos apresentaram crescimento: Serviços…