Na alegria e na tristeza

A explosão do consumo de bens duráveis nos últimos anos ocorreu em grande parte devido à utilização do crédito como ferramenta auxiliar do varejo. Desde o último pico considerável do crescimento do crédito para consumo, de 20% no final de 2010, o crédito somente desacelerou, atingindo 5,1% no final do ano passado. Como era de se esperar, o comércio seguiu a mesma tendência: 10,9% de aumento de vendas para 2,2% em 2014.

Os dados da oferta de crédito refletem, em grande parte, a atual dinâmica de menor procura por crédito do próprio consumidor. O indicador divulgado hoje pela Boa Vista SCPC mostrou novo recorde negativo na Demanda por Crédito do Consumidor, mostrando queda nos valores acumulados em 12 meses de 9,4%. Considerando os segmentos que compõe o indicador, mantida a base de comparação, a demanda por crédito nas instituições financeiras já cai 9,0%, enquanto para o segmento não-financeiro (que inclui sobretudo empresas ligadas ao setor varejista) a queda foi ainda mais intensa, de 9,7%.

Até fevereiro deste ano, a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC) do IBGE mostrou um resultado negativo em 6,5% para as vendas do varejo eletroeletrônico, de eletrodomésticos e móveis. E analisando somente o mês de fevereiro, o resultado foi o pior para um mês desde o início da série, em janeiro de 2000. Frente a isso, em notícia divulgada hoje no jornal Valor Econômico, alguns grandes produtores de eletroeletrônicos e eletrodomésticos surpreenderam-se negativamente após colher os resultados do primeiro trimestre do ano, com quedas que variam de 5% até 9% frente ao mesmo período do ano anterior. Os executivos do setor esperavam vendas mais fracas, já que parte do crescimento do ano passado foi influenciado pela Copa do Mundo, mas o resultado decepcionou.

Um fato que vem sendo corroborado é que o consumidor tem sido mais cauteloso em tempos de incerteza econômica. Contribuem para a intensificação da queda na procura por crédito fatores como a alta das taxas de juros e inflação consistentemente elevada, que tem apertado os orçamentos domésticos. Assim, crédito e varejo, duas variáveis imbricadas, casadas no papel, juntas cresceram no passado. Agora, época de turbulências no cenário macroeconômico, apesar de não correrem o risco de se divorciarem, amargarão juntas uma séria crise conjugal.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 0,5% em julho

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 0,5% em julho quando comparado a junho na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Na avaliação acumulada em 12 meses (agosto de 2016…

Percentual de cheques devolvidos atinge 1,90% em julho

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos), como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 1,90% em julho, registrando considerável redução em relação ao mesmo mês do ano anterior (-0,31 p.p.). Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados obteve leve alta frente ao mês anterior (em junho o…

PNAD: Rendimentos apresentam leve melhora no 2T17

De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad), os rendimentos reais dos trabalhadores apresentaram melhora em todas as regiões quando avaliadas os valores acumulados em 4 trimestres. A Região Nordeste registrou a primeira marcação positiva (1,6%), ao lado da região Sudeste (0,1%) e Centro Oeste (0,8%). Em relação ao mesmo período…